top of page

Veja como a lua foi mapeada ao longo do tempo

Uma exibição em Londres, que ocorreu em 2019, mostrou 300 anos de efemérides celestes



Mapa de um astrônomo do século 19, intitulado: "Estrelas para julho"
Mapa de um astrônomo do século 19, intitulado: "Estrelas para julho". Cortesia da 'The Map House'

Muito antes de dois países correrem para o espaço e a NASA começar a enviar rovers a Marte, a curiosidade pelos céus mantinha as pessoas acordadas a noite. Durante séculos, astrônomos (e astrólogos) perseguiram o conhecimento sobre os corpos celestes e seu impacto na Terra – e recorreram à cartografia para mapear suas descobertas para o público.


Athanasius Kircher, um padre e erudito jesuíta alemão, desenhou um mapa do lado mais próximo da lua no século 17 – 300 anos antes de os astronautas americanos pousarem lá. Em 2019, houve uma exposição chamada The Mapping of the Moon: 1669-1969 (O mapeamento da Lua: 1669-1969) que começou no dia 21 de agosto no The Map House em Londres, e que explorou a história da cartografia lunar e celestial, mostrando como essas representações trouxeram os corpos celestes distantes para nossa órbita. A exposição também documentou como o conhecimento científico melhorou com o tempo – mas também como a arte dos mapas se perdeu um pouco no processo.


“A publicação desses primeiros mapas coincidiu com um momento transformador na história da humanidade e algumas das descobertas mais importantes da astronomia”, afirma Mary Alice Beal e Charles Roberts, do ‘The Map House’, que fizeram a curadoria dessa história cartográfica dos céus.

A nova teoria do astrônomo polonês Nicolau Copérnico – de que o sistema solar era, de fato, heliocêntrico e não girava ao redor da Terra (e do homem) – foi complementada por esses diagramas. E quando os telescópios foram desenvolvidos como uma ferramenta ótica no século 17, os astrônomos renascentistas foram capazes de distinguir detalhes impressionantes – as crateras da Lua, os anéis de Saturno, as luas de Júpiter – que permitiram a criação de mapas que descreviam não apenas planetas e satélites naturais, como a lua, mas também o sistema solar como um todo.


Um mapa fundamental de 1669 da superfície da Lua, desenhado por Athanasius Kircher.
Um mapa fundamental de 1669 da superfície da Lua, desenhado por Athanasius Kircher. Cortesia da "The Map House'

A primeira corrida espacial, então, foi sobre qual país poderia construir o observatório mais impressionante primeiro. Os patronos reais despejaram montanhas de dinheiro por trás de celebridades astrônomas, ansiosos por financiarem a exploração da lua. Os astrônomos, por sua vez, estavam ansiosos para provar suas proezas científicas, desenhando os mapas mais precisos. O The Map House, o maior e mais antigo revendedor de mapas antigos do mundo, tem dezenas deles, do a Renascença à Guerra Fria.


“Temos muita sorte de termos sempre uma fascinante seleção de mapas antigos e históricos da lua, das estrelas e do que se conhecia do universo”, afirmam Beal e Roberts. “A exposição apresenta mapas gravados em cobre, publicados na Europa no final do século 17, e mapas... do Programa Apollo, [feitos] pelo Serviço Geológico dos Estados Unidos e pelo Centro de Informações e Cartas Aeronáuticas da Força Aérea dos Estados Unidos (ACIC, em inglês), e ... publicados pela NASA”


Na verdade, toda a cartografia do ‘The Map House’, ilustrando a antiga curiosidade astronômica e a subsequente exploração lunar, está à venda. Os destaques desse tesouro incluem mapas do espaço assinados pelos astronautas Neil Armstrong e Buzz Aldrin no auge de suas carreiras na NASA.


"Com o próximo aniversário do pouso da Apolo 11 na Lua, e nosso desejo de celebrar essa conquista magnífica”, dizem os expositores, “nós coletamos mais material lunar nos últimos anos para realmente montar uma linha do tempo gráfica de como a lua era mapeada”.


O Mosaico de Parede Lunar da USAF, utilizado pela NASA para navegar na Lua seis anos depois.
O Mosaico de Parede Lunar da USAF, utilizado pela NASA para navegar na Lua seis anos depois. Cortesia da 'The Map House'

Juntamente com os mapas da lua e do sistema solar, a exposição ostentou “raros globos lunares produzidos especialmente para celebrar o pouso na Lua em julho de 1969, um extraordinário modelo do sistema solar de 1872, feito por Henry Bryant, e um curioso indicador de horóscopo francês [cerca de 1930] ”, dizem Beal e Roberts. Ela também continha mapas estelares, caixas de luz e globos do século 17, além de um modelo em bronze do século 19 do sistema solar e mapas educacionais audaciosamente projetados usados para iluminar constelações, eclipses, marés e fases da lua.


Aqui, vemos o prêmio que os cartógrafos reconheceram nas qualidades estéticas desses mapas históricos, além de sua importância científica.


“Muitos desses primeiros mapas eram surpreendentemente belos, em parte porque a arte e a ciência não eram consideradas campos separados nos séculos 17 e 18, mas sim dois lados da mesma moeda”, dizem Beal e Roberts.


Mapa da Merrill Lynch comemorando o pouso na Lua. 'Look at the Eagle!' (Veja essa Águia')
Mapa da Merrill Lynch comemorando o pouso na Lua. 'Look at the Eagle!' (Veja essa Águia'). Cortesia da 'The Map House'

O mapa de 1660, Harmonia Macrocosmica, de Andrea Cellarius, ilustra isso. “Os 29 mapas dos céus de Cellarius são alguns dos mapas mais decorativos já publicados”, dizem os expositores, “especialmente quando foram embelezados com magníficas pinturas a mão e folhas de ouro. Mapas e atlas eram vistos como símbolos de status pelos europeus do século 17 – não apenas porque eram caros para comprar, mas também porque marcavam o proprietário como um indivíduo mundano com interesse em ciência”.


Quando a corrida entre os Estados Unidos e a União Soviética rumo a Lua começou no final dos anos 1950, as organizações americanas começaram a usar mapas celestes como anúncios e propagandas. Isso levou a representações altamente artísticas do espaço. A Merrill Lynch, por exemplo, encomendou um mapa colorido e detalhado da Lua para celebrar a auspiciosa aterrisagem em 1969, completado com a citação icônica de Armstrong na sua parte superior. O U.S. Air Force Lunar Wall Mosaic da NASA, uma ambiciosa foto colagem que mostra 281 ângulos da lua, também esteve em exposição no ‘The Map House’.


Sozinho, cada um desses mapas é impressionante. Em conjunto, eles permitem um olhar mais atento à superfície da lua – e aos céus como um todo.





21 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


Post: Blog2_Post
bottom of page