top of page

Umberto Eco: O imaginário, o mapa e a paisagem

Em Histórias das terras e lugares lendários, o escritor fala sobre lugares míticos: do Paraíso Perdido à Terra-Média.


por Álvaro Corina


'Charta Marina' de Olaus Magnus, feita em 1539
'Charta Marina' de Olaus Magnus, feita em 1539

“Os mapas medievais não tinham uma função científica”, diz Umberto Eco em Histórias das terras e lugares lendários (Editora Lumen), “mas responderam à demanda do fabuloso pelo público, assim como hoje as revistas vistosas nos mostram a existência de discos voadores e, na televisão, eles nos dizem que as pirâmides foram construídas por uma civilização extraterrestre. No mapa de As crônicas de Nuremberg, datado de 1493, junto com uma representação cartograficamente aceitável, aparecem representados os misteriosos monstros que diziam habitar esses lugares”.


De qualquer forma, é difícil assumir o controle da inspiração entre a ciência e a arte, que poderia levar um homem a imaginar o mundo pela primeira vez do céu, na forma de um mapa. A Histórias das terras e lugares lendários contém muitos mapas de territórios indefinidos, terras que a fantasia dos séculos fizeram tratados míticos com o rigor cartográfico do limite, da fronteira.


Um desses mapas é a Carta Marina de Olaus Magnus, da primeira metade do século XVI, povoado por monstros com escamas e com a cara de um cachorro. Outros retrata a topografia do paraíso terrestre, de Athanasius Kircher, no século XVII. Temos o belo mapa de Abraham Ortelius, o Theatrum orbis terrarum, de 1564, que explica o reino do misterioso Preste João no Oriente, além do mundo conhecido.


Além da estranha mistura de lirismo e desenho de objetividade de tantos mapas, uma impressionante revisão iconográfica das pinturas de paisagens em particular é adicionada aqui.

Galeria de arte temática


A antologia de regiões fantásticas universais que Eco esboçou (dos territórios de Homero a Jauja ou Lemúria, ou das Ilhas Salomão, ou as regiões do Tarzan, de Edgar Rice Burroughs) é acima de tudo uma preciosa galeria de arte temática. Estas páginas guardam o Encontro de Salomão e a rainha de Sabá, de Piero della Francesca, Ninfas e sátiros, de William-Adolphe Bouguereau, Os Judeus no Deserto, de Tintoretto, na mesma linha. Por exemplo, existem duas visões da Ilha de Calipso com Ulisses: a de Arnold Böcklin, sombria e elementar, e outra de Jan Brueghel, o Velho, barroca e sensível. Há também duas outras visões impressionantes de A idade do ouro: uma de Lucas Cranach, o Velho a pouca distância da versão homônima de Ingres.


'A idade do ouro' de Lucas Cranach, o Velho
'A idade do ouro' de Lucas Cranach, o Velho

Histórias das terras e lugares lendários expõe muitos exemplos de ruivas medievais insidiosas dos pré-rafaelitas britânicos Dante Gabriel Rossetti, Anthony Sandys, John William Waterhouse, e Burne-Jones, em torno dos devaneios de Graal e Camelot. Há um desenho de Konrad Dielitz, do Siegfried de Wagner, matando o dragão Fafner e há bestas de ilustrações em prosa de Julio Verne. Há visões da ilha de Thule e Atlântida ou da viagem de Marco Polo em plena Idade Média e, muito antes, histórias de eventos fantásticos de Alexandre, o Grande, com monstros. Existem visualizações do continente com luz solar ou lunar, e com paisagens, e de vez em quando um mapa, uma vista aérea, sem horizontes.


O valor do livro como um todo é muito superior ao do texto, bastante sucinto e básico do famoso escritor piemontês. A seleção de imagens e todo esse projeto antológico de terras não encontradas e não encontráveis supõe o verdadeiro valor, diríamos, editorial, bibliográfico, físico, de citações cruzadas entre a arte, história e a fantasia, do pesado volume de Histórias das terras e lugares lendários que Eco assina.

Exemplos do mundo antigo


Alguns desses países chegam até nós através de personagens aureolados, como os Magos do Oriente a que Mateus se refere em seu Evangelho. Qual é a sua origem? O mundo antigo fornece, é claro, muitos exemplos excelentes. Afinal de contas, falamos de paraísos perdidos. ElesHá também paraísos recuperados. Existem especulações de Olaus Rudbeck em plena Era Moderna, sobre a Atlântida submersa de Timeu e Critias, de Platão.


Outra região de grande paisagem seria a Terra Oca: em 1818, o capitão J. Cleves Symmes escreveu ao Congresso dos Estados Unidos da América sobre sua descoberta científica. Eco também se refere a uma fantasia anterior a Symmes, chamada Viagem ao Mundo Subeterrâneo, de Ludvig Holberg (1741), e uma muito posterior ao capitão: Julio Verne. Nesta edição, encontramos cogumelos gigantes do centro da Terra, de acordo com esse escritor, belamente ilustrado por Édouard Riou, ou mais tarde, pelo cartunista J. Augustus Knapp para o romance Etidorhpa (1897), de John Uri Lloyd. Ele também nos fala sobre a idéia literária do escritor Victor Rousseau de um sol no interior da terra.


'Ulisses e Calipso' de Arnold Böcklin, 1882
'Ulisses e Calipso' de Arnold Böcklin, 1882

Existem mitos cartográficos que possuem uma longa vida recente. Em geral, associado ao ocultismo. Eco escreve: “Embora Symmes tenha formulado a hipótese de uma Terra Oca, ele não se atreveu a imaginar que nós (incluindo ele) em vez de viver na crosta exterior convexa, vivíamos na parte interna e côncava. Cyrus Reed Teed (1899), chegou a essa teoria, que especificou que o que acreditamos ser o céu (de acordo com “a falácia gigantesca e grotesca do ignorante Copérnico” e a ciência pseudo-anglo-israelense) é uma massa de gás que preenche o interior do planeta, com zonas de luz brilhante. “O Sol, a Lua e as estrelas não são globos celestes, mas efeitos visuais causados por vários fenômenos”. Dessa maneira, até nosso próprio solo é um solo fantástico, imediatamente alienado.


 

Mitos contemporâneos

As indagações sobre os arianos, e mais tarde sobre o nazismo, ocupam grande parte da seção contemporânea de História das terras e lugares lendários. Por exemplo, quando Eco escreve sobre as fantasias sobre os polos árticos, e sobre os hiperbóreos (além da zona boreal), bem como sobre a já mencionada Terra Oca (mitos que por sinal se misturam). Nesses pontos, o ocultimos e o mapa se sobrepõem. Referimo-no a Madame Blatavsky que defendeu em A Doutrina Secreta (1888) a tese da migração de uma raça perfeita do norte do Himalaia, embora após o dilúvio essa raça emigrasse para o Egito. Sobre o mito polar (você verão um grande quadro, de duas páginas, de William Bradford), destaca Francis Amadeo Giannini, que “sustentava uma teoria mais ousada do que a da Terra Oca: ele acreditava que a Terra não era um planeta, mas que as partes da Terra que conhecemos nada mais eram do que uma pequena porção de uma massa infinita que se estendia além dos polos em um espaço celeste”. Assim, uma jornada ambiciosa. Cheio de arte. Do Tratado das coisas mais maravilhosas e notáveis encontradas no mundo, de John de Mandeville (século XIV), ou do Romance de Alexandre (que tem versões desde o século IV) a Tolkien ou ao explorador antártico Richard Byrd, que disse ao rádio em 1947 que “a área mais além do polo é o centro de uma grande terra desconhecida”. Como disse Eco com evidente simpatia, sobre o primeiro desses livros citados: “Para Mandeville, falar sobre geografia ainda era equivalente a falar sobre seres que devem existir, não que existem...”. Um afã de limitar, de delimitar e, ao mesmo tempo, uma nota original em relação ao ilimitado. Com dois grandes gêneros: o mapa e a paisagem. Ambos sequestrados, com todo o seu rigor e todo o seu poder, pela imaginação.

 











58 visualizações0 comentário

Comments


Post: Blog2_Post
bottom of page