top of page
  • Foto do escritoremvolpi9

Um breve olha sobre os mapas e guias de viagens medievais



Para muitos mapas medievais criados por cartógrafos europeus, os locais eram representados não por seu tamanho geográfico, mas dimensionados com base em sua importância para o cristianismo. Anjos e criaturas místicas foram desenhadas como sendo parte do mundo terrestre e Deus muitas vezes ocupava um lugar principal no topo dos mapas.


Os mapas da época eram orientados com o leste para cima e Jerusalém, o lugar mais sagrado da fé cristã, era colocado diretamente no centro dos mapas.



Mapas T-O


O mapa T-O representa uma visão inicial e simplista do mundo medieval. Desenhado pela primeira vez por São Isidoro de Sevilha por volta de 600-625 em sua obra “Etymologiae”, o mapa circular mostra os três continentes conhecidos da Europa, Ásia e África.


Um ‘T’ divide os continentes com os rios Mediterrâneo, Nilo e Don. O leste está no topo do mapa e os oceanos fluem ao redor dos continentes, representando o ‘O’. Jerusalém está localizada no centro do mapa.


Cópia de 1472 do Etymologiae, XIV: de terra et partibus
Cópia de 1472 do Etymologiae, XIV: de terra et partibus, Royal MS 6 C I, British Library


Viajando durante o período medieval


A maioria das pessoas medievais não viajava. Especialmente durante o início da idade Média, o tamanho do seu mundo era restrito à sua localização imediata (Main, 2017). Dos que viajavam, fazer uma peregrinação era o motivo mais popular. As peregrinações eram uma via importante pela qual os fiéis podiam absolver seus pecados (Biblioteca Britânica, s.d.). Roma, Santiago de compostela e Jerusalém foram os destinos mais populares.


Navio de peregrinos chegando a Damietta
Navio de peregrinos chegando a Damietta, British Library MS Royal 15 E I f. 404v, Histoire d’Outremer ou História rerum in partibus transmarinis gestarum de Guilherme de Tiro, c. 1479 - c. 1480

Essas viagens levavam meses e exigiam um planejamento elaborado (Medievalists.net, 2016). Não é de estranhar que existam manuscritos escritos por viajantes como guias para os peregrinos. Esses guias informavam, entre outras coisas, sobre o que levar na mala, quem subornar, o que vestir e onde e como dormir.



Mapa Medieval dos Peregrinos


Por volta de 1250, Mathew Paris, um monge, narrou eventos desde a criação do mundo até meados do século 13 em sua obra ‘Chronica Major’. No início deste manuscrito, ele desenhou um mapa mostrando a rota de peregrinação de Londres a Jerusalém.


Este roteiro medieval está distribuído por sete páginas e leva o leitor a uma viagem de Londres pelas principais paradas em uma peregrinação a Roma e a Jerusalém (Connolly, 1999).


Mapa do Caminho para Jerusaém, de Matthew Paris.
Mapa do Caminho para Jerusaém, de Matthew Paris. St. Albas, c. 1250 British Library Royal MS 14 C vii, f. 5


Guia de Viagem para Peregrinos Medievais


Santiago de Compostela, na Espanha, é o local do Santuário de São Tiago o Grande, um dos 12 apóstolos de Jesus. O Caminho de Santiago é uma rede de rotas de peregrinação através da França e da Espanha até este santuário. Ele é considerado uma das três únicas peregrinações onde todos os pecados seriam perdoados e foi muito popular durante a Idade Média (Biblioteca Britânica, s.d.)


Em 1770, um códice de cinco volumes intitulado “Liber Sancti Jacobi”, mas também conhecido como Codex Calixtinus, foi produzido. Além de orações, cantos, textos litúrgicos e históricos, o quinto volume é um guia de viagem para os peregrinos.


O volume oferece este conselho sobre como viajar por Bordeaux na França (Capítulo VII. As terras e os povos ao longo do Caminho de Santiago):


“Proteja seu rosto com cuidado dos enormes insetos (insetos que os locais chamam de ‘guespe’ e ‘tavones’) e se você não observar sues pés com cuidado, escorregará rapidamente até os joelhos na areia movediça”. (Arquibald, 2015)

Índice do Livro V do códice, o “Guia do Peregrino”. Facsimile,
Índice do Livro V do códice, o “Guia do Peregrino”. Facsimile, Southern Methodist University. Manuscrito original guardado em Santiago de Compostela, na Espanha.

William Wey (cerca de 1407-76) foi outro viajante que escreveu extensivamente sobre suas viagens a Santiago de Compostela, na Espanha, ao santuário de são Tiago, o Grande, e a Jerusalém. Ele publicou seus relatos incluindo dicas de viagem em itinerários por volta de 1470.


Conselhos de Wey:


“Escolha para si um lugar na referida cozinha no convés mais alto, porque embaixo, no mais baixo, está bem quente e fedorento. Se você vai conseguir um bom lugar e ficar confortável na cozinha e ser bem cuidado, terá que pagar quarenta ducados pela sua cozinha e pela sua carne e bebida até o porto de Jaffa e de volta a Veneza. ”

Fólio de Itinerários de William Wey, cerca de 1470
Fólio de Itinerários de William Wey, cerca de 1470. Bodleian Library, MS. Bodl. 565


Mappa Mundis


Mappa Mundis são mapas do mundo criados durante a Idade Média. Esses mapas não pretendiam ser geograficamente precisos. Em vez disso, eles foram projetados para ajudar a explicar a posição teológica do homem no mundo natural e sobrenatural.


Mappa mundi de Beato de Liébana, baseado nos relatos de Santo Isidoro de Sevilha, Ptolomeu e na Bíblia Sagrada, século VII
Mappa mundi de Beato de Liébana, baseado nos relatos de Santo Isidoro de Sevilha, Ptolomeu e na Bíblia Sagrada, século VII, fólios 45 verso e 46 recto do Apocalipse de São Severo.

Criado por volta de 1.300 d.C., o Hereford Mappa Mundi é um desses exemplos. Este mapa mostra a extensão geográfica do conhecimento na época. Como era comum na época, o leste fica no topo do mapa. Os três continentes conhecidos, Ásia (topo do mapa), Europa (lado esquerdo do mapa) e África (lado direito do mapa) são desenhados. Jerusalém (C), onde Cristo foi crucificado e ressuscitou, ocupa lugar de destaque no centro do mapa. Ao lado de representações de lugares e cidades, são mostrados seres sobrenaturais (B) e Deus e os anjos (A) espiam do céu no topo do mapa.


Hereford Mappa Mundi, cerca de 1.200 d.C.
Hereford Mappa Mundi, cerca de 1.200 d.C.


Mapas Portulanos


Os mapas portulanos eram cartas de navegação medievais dos portos e rotas comerciais do Mediterrâneo. Essas cartas se originaram no início do século 14 na Espanha e na Itália (Campbell, 1987). Conhecidos por sua precisão, essas cartas fornecem uma fonte surpreendente de nomes de lugares para o período medieval.


Carta Portulana de Gabriel Vallseca, 1439
Carta Portulana de Gabriel Vallseca, 1439. Museu Marítimo, Barcelona

Os mapas portulanos foram os primeiros produtos cartográficos a exibir regularmente linhas de latitude e longitude e foram a primeira categoria de mapas medievais a aderir a uma escala (Campbell, 1987). As cartas portulanas também continham caracteristicamente linhas de rumo, linhas de vento ou direção da bússola que eram usadas pelos marinheiros ao traçar seu curso de porto a porto.


Esta aproximação de uma carta portulana mostra o contorno da costa da Itália. Sobrepostas estão as grades de latitude e longitude (quadrados) e as linhas diagonais são loxodromicas. As linhas verdes escuras representam os 8 ventos primários, as vermelhas são os 8 meio-ventos e as marrons são os 16 ventos de quadrantes.
Esta aproximação de uma carta portulana mostra o contorno da costa da Itália. Sobrepostas estão as grades de latitude e longitude (quadrados) e as linhas diagonais são loxodromicas. As linhas verdes escuras representam os 8 ventos primários, as vermelhas são os 8 meio-ventos e as marrons são os 16 ventos de quadrantes.


Influência de Ptolomeu na Cartografia Medieval


Ptolomeu foi um geógrafo greco-romano cuja obra Geographia, escrita por volta de 150 d.C., descreveu e compilou todo o conhecimento sobre a geografia do mundo no Império Romano do século II. No século XV, sua obra foi redescoberta e traduzida para o latim a partir do original grego.


Ptolomeu influenciou a cartografia medieval através do uso de coordenadas de latitude e longitude para 8.000 localizações geográficas, bem como o uso de cálculos matemáticos para representar a geografia com precisão.


‘Geographica’ de Ptolomeu, traduzido por Emanuel Chrysoloras e Jacobus Angelus Harley
‘Geographica’ de Ptolomeu, traduzido por Emanuel Chrysoloras e Jacobus Angelus Harley, ff 7182 e seguintes. 58v-59, 3º quartel do século XV, British Library.


Referências



British library. (n.d.). 14th-century pilgrim’s travel guide [Blog post]. Obtido em http://www.bl.uk/onlinegallery/sacredtexts/compostela.html


Campbell, T. (1987). Portolan charts from the late thirteenth century to 1500. The history of cartography, 1, 371-463. Obtido em http://www.press.uchicago.edu/books/HOC/HOC_V1/HOC_VOLUME1_chapter19.pdf


Connolly, D. K. (1999). Imagined pilgrimage in the itinerary maps of Matthew Paris. The Art Bulletin, 81(4), 598-622. Obtido em https://www.jstor.org/stable/3051336


Medievalists.net. (2016, June 27). Travel tips for the Medieval pilgrim [Blog post]. Obtido em http://www.medievalists.net/2016/06/travel-tips-for-the-medieval-pilgrim/









258 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo

1 Comment


Fernanda Durão
Fernanda Durão
Jan 29, 2023

Muito bom! Parabéns|

Like
Post: Blog2_Post
bottom of page