Ucrânia: feita por Lenin, desfeita por Putin?

Os bolcheviques podem ter criado as atuais fronteiras da Ucrânia, mas isso não significa que desmantela-las seja bom para a Rússia de Hoje.


Mapa popular entre o pessoal do "a Ucrânia não é real"
Mapa popular entre o pessoal do "a Ucrânia não é real". (Crédito: Don Curzio Nitoglia)

 

PRINCIPAIS PONTOS


• Um Vladimir criou a Ucrânia moderna e outro agora a está descriando • Mas o desmantelamento das fronteiras de Lenin por Putin pode sair pela culatra para a Rússia • A anexação pode se transformar em uma caixa de Pandora - e um paradoxo caro.

 


Uma jovem pinta um mapa simbólico da Ucrânia, com a cor vermelha distinguindo a região de Donetsk, a região de Lugansk e a Criméia, e escrito acima do mapa "O mapa das perdas da Ucrânia", em frente ao Parlamento em Kiev, a 30 de Abril de2014, para protestar contra o que consideram ser a passividade do governo central nas regiões orientais do país. AS forças armadas da Ucrânia estão em "alerta de combate total" contra uma possível invasão da russa, disse Kiev em 30 de abril, enquanto insurgentes pró-Kremlin apertavam o controle sobre o leste cada vez mais caótico do país. AFP PHOTO/SEGUEI SUPINSKY ( Foto de Sergei SUPINSKY/AFP) (Foto de SERGEI SUPINSKY/AFP via Getty Images)



“A Ucrânia soviética é o resultado da política dos bolcheviques e pode ser legitimamente chamada de ‘Ucrânia de Vladimir Lenin’”, disse Vladimir Putin em um discurso de uma hora no dia 21 de fevereiro. Nesse discurso, o presidente russo anunciou que iria reconhecer a independência das Repúblicas Populares de Donetsk e Luhansk, duas regiões rebeldes pró-Rússia no leste da Ucrânia. No dia 24 de fevereiro ele invadiu o país.


Não é apenas culpa de Lenin


Então, um Vladimir está apenas corrigindo o erro perpetrado por outro Vladimir um século antes? Não é bem assim. Não é apenas culpa de Lenin. Na escola de pensamento “A Ucrânia não é real”, atualmente bastante popular na Rússia, há muitas figuras históricas para culpar pelo exagerado senso de autoestima dos ucranianos.


“Tanto antes como depois da Grande Guerra Patriótica”, continuou Putin, “Stalin incorporou na URSS e transferiu para a Ucrânia algumas terras que antes pertenciam à Polônia, Romênia e Hungria. No processo, ele deu à Polônia parte do que era tradicionalmente terras alemãs como compensação e, em 1954, Khrushchev tirou a Crimeia da Rússia por algum motivo e também a deu à Ucrânia. Com efeito, foi assim que se formou o território da Ucrânia moderna”.


Este mapa, que muitas vezes aparece nos círculos de apologistas do Kremlin, ilustra e elabora esse ponto.


Tudo que você precisa é Lvov [1]

O mapa mostra a área oferecida à Ucrânia por Lenin em 1922 (em azul), que contém não apenas a cidade rebelde de Luhansk, mas um trecho de terra até o porto de Odessa, no Mar Negro, e mais além até a atual fronteira da Romênia.



Também estão incluídas (em verde) as áreas anexadas à Ucrânia por Stalin, antes e depois da Segunda Guerra Mundial (também conhecida como a Grande Guerra Patriótica na antiga União Soviética). Isso inclui a antiga cidade polonesa de Lviv (também conhecida como Lvov, Lemberg, Lemberik, Ilyvo, Lvihorod e Leopolis – uma indicação das muitas culturas sobrepostas alí) e uma área anteriormente austro-húngara e tchecoslovaca conhecida como Transcarpatia (veja também ‘Strange Maps #57’).


E em roxo, há a Crimeia. Anteriormente um estado vassalo otomano, a Península da Criméia foi anexada pela Rússia em 1783. Ela permaneceu parte da Rússia até Khrushchev transferi-la da Rússia para a República Soviética Ucraniana em 1954.


Essa transferência celebrou o 300° aniversário da “reunificação da Ucrânia com a Rússia” (conforme o Tratado de Pereyaslav em 1654) e expressou a “confiança e amor sem limites que o povo russo sente pelo povo ucraniano”. Foi uma consequência natural da proximidade territorial, econômica e cultural entre a Crimeia e a Ucrânia.


Essa foi a história oficial. De acordo com esta análise do Wilson Center, a transferência pode muito bem ter sido concebida especificamente para aumentar o número de russos na Ucrânia e, portanto, o domínio da Rússia sobre ela. E pode ter sido uma maneira de reforçar o apoio dos líderes comunistas ucranianos a Khrushchev na luta pelo poder em curso pela liderança suprema dentre da URSS.


Retire os acréscimos feitos por esses três líderes comunistas e o que resta da “Ucrânia Soviética” é um estado muito menor. A data relevante aqui é 1654. Nesse ano, os Cossacos Ucranianos obtiveram proteção da Rússia em sua luta pela independência da comunidade polonesa-lituana. A área amarela foi adicionada ao agora estado cliente russo da Ucrânia após o mencionado Tratado de Pereyaslav.


A parte anteriormente independente é a parte laranja no meio do mapa. Você não é tão grande agora, não é Ucrânia? O ponto mais importante deste mapa de uma Ucrânia muito, muito menor é que a versão atual desse país deve seu tamanho à Rússia, que, portanto, também tem o direito de descria-la.


O melhor vizinho é um vizinho pequeno


Em outras palavras, esta é uma licença para remodelar as fronteiras da Ucrânia como a Rússia achar melhor. É bastante seguro dizer que, sem as restrições do direito internacional, é assim que a maioria dos grandes países se sente em relação a seus vizinhos muito menores.


Só que essa abordagem das fronteiras internacionais é contra o direito internacional, e com razão. Isso é como atirar um bumerangue com a caixa de Pandora. Imediatamente após o discurso de Putin, a internet ressoou com alegações de que os mongóis queriam seu Império de volta (que em seu auge incluía grande parte da Rússia) e com perguntas sobre quando Putin entregaria Kaliningrado (outrora a cidade prussiana de Königsberg —veja também em ‘Strange Maps #536’) de volta à Alemanha.



Dado que quase todos os países abrigam alguma queixa territorial em relação a seus vizinhos – sim, até Luxemburgo – a proliferação dessa atitude transformaria a arena da política global de Doze Homens e uma Sentença [2] para Clube da Luta [3] em pouco tempo.

Talvez o melhor discurso sobre o assunto nesta semana (a reportagem é de 24 de fevereiro) tenha sido proferido por Martin Kimani, embaixador do Quênia nas Nações Unidas. Vindo de um continente cujas fronteiras foram quase inteiramente traçadas por colonizadores europeus, ele sabe uma coisa ou duas sobre a iniquidade histórica do legado indesejado do império:


“Hoje, do outro lado da fronteira de cada país africano, vivem nossos compatriotas com quem compartilhamos profundos laços históricos, culturais e linguísticos. Na independência, se tivéssemos escolhido perseguir os Estados com base na homogeneidade étnica, racial ou religiosa, ainda estaríamos travando guerras sangrentas muitas décadas mais tarde”.


“Em vez disso, concordamos que nos contentaríamos com as fronteiras que herdamos, mas ainda assim buscaríamos a integração política, econômica e jurídica continental. Em vez de formar nações que olharam para trás na história com uma nostalgia perigosa, escolhemos olhar para frente, para uma grandeza que nenhuma de nossas muitas nações e povos jamais conhecera”.


Tornar a Ucrânia Grande Novamente [4]


Se tudo isso soa um pouco kumbaya demais para Putin, há um motivo mais maquiavélico para não desmembrar a Ucrânia ‘leninista’. Basta voltar á “doação” de Khrushchev em 1954 para a Ucrânia da Crimeia, que já naquela época era habitada por uma clara maioria de russos.


Se uma das razões implícitas para essa transferência foi aproximar a Ucrânia da Rússia, então a reanexação da península pela Rússia em 2014 teve o efeito oposto. A separação de Donetsk, Luhansk e, em breve, talvez outras regiões russófonas e russófilas da Ucrânia criará um paradoxo geopolítico para a Rússia: quanto mais da Ucrânia a Rússia absorver, menor será a chance de o que resta da Ucrânia voltar a a ser amigável a Moscou.


Resumindo: uma Ucrânia menor é uma Ucrânia mais pró-ocidental. Se Putin quer que seu maior vizinho eslavo seja simpático com seus objetivos geopolíticos, talvez ele devesse tirar uma página da cartilha de Lenin e Tornar a Ucrânia Grande Novamente [4]. #curiosidadescartograficas


 

Nota de Tradução


[1] Tradução de "All you need is Lvov", um trocadilho com "All you need is Love", famosa música do grupo Beatles. [voltar]


[2] Doze Homens e uma Sentença, filme estadunidense de 1997, do gênero drama policial.[voltar]

[3] Clube da Luta, é um filme estadunidense de 1999, do gênero suspense. [voltar]


[4] Tradução de "Make Ukraine Greater Again", um trocadilho com "Make America Great Again" slogan de campanha adotado emcampanhas presidenciais nos Estados Unidos. [voltar1] [voltar2]

 



Fonte: https://bigthink.com/strange-maps/ukraine-lenin-putin/


Publicado na página Curiosidades Cartográficas do Facebook em: https://www.facebook.com/curiosidadescartograficas/posts/1781318095395050

75 visualizações0 comentário