top of page
  • Foto do escritoremvolpi9

Se as luzes noturnas fossem montanhas

Cartógrafo inventa uma maneira totalmente nova de olhar para a Terra


Por John Metcalfe para o jornal The Washington Post, em 06/03/2019



O leste dos Estados Unidos com cidades como montanhas.
O leste dos Estados Unidos com cidades como montanhas. (Jacob Wasilkowski/Petrichor Studio)

Milhares de alpinistas conquistaram o Everest. Mas quantos já escalaram a termosfera para chegar ao topo de um pico de luz crua e incandescente?


Os alpinistas que desejam desafiar as leis da física encontrarão um roteiro maravilhosamente ilustrativo em "Earth at Night, Mountains of Light" (Terra à noite, montanhas de luz), de Jacob Wasilkowski.


O desenvolvedor web geoespacial, de St. Louis, que mostrou sua criação no início de março de 2019 no Esri Developer Summit, em Palm Springs, Califórnia, pegou os pontos mais brilhantes do planeta à noite e os transformou em estruturas luminosas e imponentes.


As cidades repletas de luzes de ruas e prédios se estendem como cidadelas iluminadas tão “altas” quanto 85 quilômetros de altura. Regiões menos iluminadas, incluindo cadeias de montanhas normalmente imponentes, parecem tão planas quanto o fundo do oceano.


Por que Wasilkowski criou esse planeta deformado?


"Talvez tenha sido uma ideia subjacente para fazer as pessoas pensarem sobre os efeitos de nossas áreas urbanizadas em nossos ambientes noturnos", diz o cartógrafo, que, junto com a colega especialista em mapeamento Sarah Bell, dirige o site de geovizualização Petrichor Studio.


Também me pergunto se não consideramos com frequência o que significa dia versus noite ao olhar para os mapas - talvez até presumamos que é dia quando há cores brilhantes em um mapa temático ou quando olhamos para mapas de imagens de satélite durante o dia - e ultimamente tenho ficado curioso sobre o que isso significa para mapas e visualizações que lidam com "dados noturnos". "


Há um guia de instruções para os interessados nessa visualização e nas imagens da NASA que a sustentam, provenientes de dados de 2012 e 2016 do satélite Suomi-NPP. É um pouco técnico.


"Estou exagerando as 'elevações' ao multiplicar por um valor que estabeleci após tentativa e erro visual", diz Wasilkowski. "A luminescência de cada pixel varia de 0 a 1, e então eu multiplico por 85.000."


Mas para aqueles que querem entrar às cegas no Universo de Tron, o ponto de partida natural da visualização sobre o Delta do Nilo é esclarecedor. Observe como os assentamentos densamente povoados ao longo do rio o transformam em um dorso ardente de dragão:


O delta do rio Nilo.
O delta do rio Nilo. (Jacob Wasilkowski/Petrichor Studio)

Outra bela mancha é Washington, D.C., e a Interstate 95 que leva a Baltimore:


A área metropolitana de Washington.
A área metropolitana de Washington. (Jacob Wasilkowski/Petrichor Studio)

Bem-vindo à nova topografia do leste americano, onde as únicas montanhas visíveis são as metrópoles com estilo de vulcões que vomitam lava:


O leste dos Estados Unidos com cidades como montanhas.
O leste dos Estados Unidos com cidades como montanhas. (Jacob Wasilkowski/Petrichor Studio)

Um dos lugares mais planos conhecidos pela humanidade, Chicago, tornou-se um tsunami dourado destruidor de aviões.


Os grandes cânions de Chicago.
Os grandes cânions de Chicago. (Jacob Wasilkowski/Petrichor Studio)

As montanhas que tornam as viagens pelo Oeste tão difíceis durante a temporada de neve desapareceram. Aqui está a vista do Colorado até a costa da Califórnia:


As cidades do oeste dos Estados Unidos parecem ser montanhas altas e distantes.
As cidades do oeste dos Estados Unidos parecem ser montanhas altas e distantes. (Jacob Wasilkowski/Petrichor Studio)

Nem todo aglomerado de brilho representa uma cidade. O setor noroeste da Dakota do Norte, definitivamente não urbano, é quente e acidentado por causa de toda a infraestrutura, moradias temporárias e chamas de gás da exploração de petróleo e gás natural da formação de xisto de Bakken:


Luzes de chamas de gás em Dakota do Norte.
Luzes de chamas de gás em Dakota do Norte. (Jacob Wasilkowski/Petrichor Studio)

Vale a pena observar que as áreas mais brilhantes nessas imagens nem sempre correspondem a populações mais altas ou mais densas.


Muitos fatores afetam a forma como um satélite detecta o brilho, desde a luz da lua ambiente até a cobertura de neve e os tipos e arranjos das luzes da rua. Para seu mérito, a NASA fez muito para eliminar o "ruído" e se concentrar quase que exclusivamente na pegada de luz artificial da humanidade - removendo os pontos quentes brilhantes que iluminaram o interior da Austrália durante os incêndios florestais de 2012, por exemplo.


Desde que criou o Earth at Night, Mountains of Light, Wasilkowski recebeu alguns elogios de seus colegas cartógrafos e também adicionou a opção de alternar para uma versão diurna porque "eu gosto do visual maluco", diz ele. "Acho que isso ajuda a ilustrar como as montanhas do mundo real são achatadas em favor das áreas urbanas."


De fato. Veja como o Himalaia parece ter caminhado a passos largos para o sul, para as regiões mais iluminadas da Índia, deixando um mar de sal seco em seu rastro:


O Himalaia é ofuscado pelas cidades da região.
O Himalaia é ofuscado pelas cidades da região. (Jacob Wasilkowski/Petrichor Studio)

E a pobre Nova Zelândia, cujos picos imponentes inspiraram grande parte dos filmes "O Senhor dos Anéis" de Peter Jackson, agora se curva diante de um novo Monte da Perdição - o Grande Pico de Christchurch:


Não há muita coisa acontecendo na Nova Zelândia, exceto em Christchurch.
Não há muita coisa acontecendo na Nova Zelândia, exceto em Christchurch. (Jacob Wasilkowski/Petrichor Studio)












77 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


Post: Blog2_Post
bottom of page