O primeiro atlas da história: Theatrum Orbis Terrarum



O primeiro atlas moderno do mundo foi publicado em 1570, por Abraham Ortelius. Ele é considerado a primeira coleção sistemática de mapas de tamanho e estilo uniformes. É o Theatrum Orbis Terrarum, que significa “Teatro do mundo”.


Porque esse era justamente o objetivo do atlas: representar o mundo, como se fosse um teatro. E tanto e tão antigo conhecimento tem seu preço. Não em vão, foi colocado em leilão uma edição de 1579 que pode chegar a 60.000 libras (US$ 81.530,94, na cotação de 8 de janeiro de 2022).


Capa do Atlas em uma edição de 1606

Abraham Ortelius, nascido em Antuérpia, também era conhecido como o “Ptolomeu do século 16”. Junto com Gerardus Mercator, ele foi o pai da cartografia flamenga. Sua família era originária de Augsburg e teve que se estabelecer nas Dezessete Províncias por ser acusada de ser protestante.


Depois de estudar grego, latim e matemática, ele se estabeleceu em sua cidade natal como livreiro e cartógrafo. Em 1575, Ortelius foi nomeado geógrafo de Filipe II, cargo que lhe permitiu ter acesso ao conhecimento acumulado pelos exploradores portugueses e espanhóis.


Na verdade, diz-se que Filipe II sempre teve sua própria cópia do Theatrum Orbis Terrarum em mãos, talvez procurando novos lugares para conquistar. Talvez para conhecer melhor seus extensos domínios, ilhas e regiões inteiras que lhe pertenceriam, mas que nunca poderia conhecer pessoalmente.


Theatrum Orbis Terrarum, 1572, planisfério
Theatrum Orbis Terrarum, 1572, planisfério


Incômodos pergaminhos individuais


Até a publicação do Theatrum Orbis Terrarum, as novas descobertas dos espanhóis e portugueses haviam sido registradas na forma de pergaminhos individuais. Eles eram decorados com bordas ornamentadas e incluíam elaborados escudos e brasões


Mas eles não eram práticos. Desconfortáveis de usar, eles tinham que ser desenrolados e enrolados todas as vezes. Algumas descobertas portuguesas tinham sido documentadas em mapas manuscritos costurados em volumes, mas não se tratava de um atlas em si, pois não continham textos ou não os integravam à imagem, como seria de esperar de um atlas.


Europa no Atlas de Ortelius. 1572
Europa no Atlas de Ortelius. 1572

Um compêndio de mapas de outros autores

A verdade é que o atlas praticamente não continha mapas feitos por Ortelius, mas sim 53 mapas de outros autores, nos quais a fonte era indicada. O atlas de Ortelius refletia todos os mapas no mesmo estilo e as placas de cobre para sua realização eram do mesmo tamanho (os fólios tinham aproximadamente 35 x 50 cm).


América no Atlas de Ortelius, segundo as primeiras representações. 1598.
América no Atlas de Ortelius, segundo as primeiras representações. 1598.

Se somarmos a isso o fato de que estão ordenados logicamente por continente, região e estado, além de serem acompanhados por um comentário descritivo e referências no verso, podemos falar de um atlas.


Ortelius começou a trabalhar em uma coleção de mapas coloridos à mão e em xilogravura. No verso de cada mapa ele adicionou uma descrição de cada uma das regiões e países, bem como informações sobre seu clima, gastronomia, costumes, etc.


Isso foi, sem dúvida, uma novidade. Para incluir essas informações detalhadas, ele usou fontes clássicas e descobertas recentes, bem como a ajuda de outros cartógrafos.


A Península Ibérica representada no atlas de Abraham Ortelius. 1572.
A Península Ibérica representada no atlas de Abraham Ortelius. 1572.

O conhecimento do mundo, em um único livro

No Theatrum Orbis Terrarum foi a primeira vez que a totalidade do conhecimento da Europa Ocidental sobre o mundo foi reunida em um único livro. Na bibliografia é mencionada os 33 cartógrafos dos quais os mapas foram utilizados no atlas. Além disso, um total de 87 cartógrafos do século 16 conhecidos por Ortelius foram incluídos.


África e a Península Arábica no Atlas de Ortelius.
África e a Península Arábica no Atlas de Ortelius.

Essa lista crescia a cada edição latina e incluiu nada menos que 183 nomes em 1601. Entre as fontes são mencionadas para o atlas, o mapa do mundo (1561) de Giacomo Gastaldi, a avenida do porto da costa atlântica (1562) de Diego Gutiérrez, o mapa do mundo (1569) de Gerardus Mercator, que contém 8 mapas derivados do Theatrum.


China no atlas de Ortelius.
China no atlas de Ortelius.

Para o mapa da Europa (1554) ele fez uso do mapa de Gerardus Mercator, o mapa da Escandinávia (1539) era o de Olaus magnus, enquanto o mapa da Ásia foi derivado de seu próprio mapa da Ásia de 1567, que por sua vez foi inspirado pelo de Gastaldi (1559). Também para o mapa da África ele fez uso de Gastaldi.


Assim, a contribuição de Ortelius para este atlas foi uma coleção dos melhores mapas, refinados por ele mesmo, combinados em um mapa ou divididos em múltiplos e no mesmo tamanho. O atlas não parou de ser atualizado e melhorado até 1612. Por todas essas razões, podemos certamente falar do primeiro atlas moderno da história.

#curiosidadescartograficas




Fonte: https://www.geografiainfinita.com/2017/06/el-primer-atlas-de-la-historia-theatrum-orbis-terrarum/


Publicado na página Curiosidades Cartográficas do Facebook em: https://www.facebook.com/curiosidadescartograficas/posts/1737584586435068

544 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo