O mapa ultrassecreto do Dia D, da praia de Omaha, vai para a Biblioteca do Congresso

O mapa bastante detalhado foi levado para a praia durante a invasão da Normandia na Segunda Guerra Mundial


Por Michael E. Ruane


"É um milagre da cartografia", disse Robert Morris, o especialista em aquisições cartográficas da Biblioteca do Congresso, sobre a doação da família de Joseph P.Vaghi Jr.
"É um milagre da cartografia", disse Robert Morris, o especialista em aquisições cartográficas da Biblioteca do Congresso, sobre a doação da família de Joseph P.Vaghi Jr. (Maansi Srivastava/The Washington Post)

O mapa ultra-secreto, de Joe Vaghi, da praia de Omaha sobreviveu à tempestuosa viagem pelo Canal da Mancha naquele dia.


Ele estava enfiado em um bolso de seu uniforme enquanto ele corria pelas planícies de maré da Normandia sob fogo de metralhadoras inimigas.


O mapa passou pela explosão de um projétil de artilharia inimiga que matou um companheiro e incendiou as roupas de Vaghi.


O mapa sobreviveu com suas anotações a lápis intactas enquanto ele orientava os homens que desembarcavam na França no Dia D, 6 de junho de 1944, gritando em seu megafone: “Avante!”


Joseph P. Vaghi Jr., um arquiteto de Bethesda que morreu em 2012 aos 92 anos, cuidou do mapa nos anos seguintes após a guerra. Seus detalhes meticulosos salvaram sua vida, disse ele à família.


Em 27 de junho, a família de Vaghi doou formalmente o mapa para a Biblioteca do Congresso, onde ele foi reconhecido como um raro artefato de um dos eventos mais históricos da Segunda Guerra Mundial.


“É um milagre da cartografia”, disse Robert Morris, especialista em aquisições cartográficas da biblioteca.


Ele contém uma representação da costa da Normandia, mostrando a topografia, dunas de areia, sebes, casas, cemitérios, áreas alagadas, aldeias, pomares, profundidades da água, cartas de maré e o setor “Easy Red” da praia de Omaha, onde Vaghi desembarcou.


Ele também inclui um esboço na parte inferior de como o terreno se pareceria a partir de um navio de desembarque.


Mais de 2.500 americanos foram mortos naquele dia, juntamente com 1.913 soldados e marinheiros britânicos, canadenses e outros aliados, de acordo com o Memorial Nacional do Dia D em Bedford, Virgínia.


O “mestre de praia” da Marinha, Joseph P. Vaghi Jr., com residentes franceses, dias após o desembarque na Normandia em 6 de junho de 1944).
O “mestre de praia” da Marinha, Joseph P. Vaghi Jr., com residentes franceses, dias após o desembarque na Normandia em 6 de junho de 1944 (Foto de família).

Parecia um milagre que Vaghi tenha sobrevivido, um amigo da Marinha contou mais tarde ao seu filho.


“Era quase como se algo o protegesse”, disse o filho de Vaghi, Joseph P. Vaghi III, ao amigo de seu pai. “Ele era um homem alto... Ele tinha um megafone. Ele ia para cima e para baixo pela praia... Como ele não foi morto, ninguém sabe até hoje”.


Vaghi, um tenente-comandante, era um “chefe de praia” da Marinha. Equipado com seu mapa e outros equipamentos, seu trabalho era direcionar o movimento de milhares de homens e toneladas de equipamentos que eram despejados na praia em meio à artilharia e metralhadoras do inimigo. Ele tinha 23 anos.


O mapa militar que ele carregava, baseado em inteligência e voos de reconhecimento de baixa altitude, foi rotulado como “TOP SECRET” em letras verdes.


A área de desembarque do Dia D na costa noroeste da França, onde os Aliados atacaram as forças de ocupação alemãs em 1944, foi dividida em cinco setores de praia com os nomes código de Omaha, Utah, Gold, Juno e Sword.


Os americanos atacaram Utha e defenderam fortemente Omaha.


As praias foram divididas em setores menores como ‘Easy Red’, ‘Easy Green’ e ‘Fox Green’. Os mapas foram projetados para guiar soldados e marinheiros para as zonas de desembarque adequadas e dar-lhes uma idéia da configuração do terreno quando chegassem.


O ‘Easy Red’ foi defendido por três bunkers alemães, dois dos quais feitos de pedra e concreto, segundo o historiador Peter Caddick-Adams.


“Os alemães estavam em suas casamatas e bunkers bem acima da praia no penhasco e tinham uma visão desobstruída do que estávamos fazendo”, lembrou Vaghi em um relato posterior para o site do 6° Batalhão Naval de Praia dos EUA. “O ambiente era deprimente”.


O mapa que Joseph P. Vaghi Jr. levou durante o desembarque do Dia D da Segunda Guerra Mundial na Normandia
O mapa que Joseph P. Vaghi Jr. levou durante o desembarque do Dia D da Segunda Guerra Mundial na Normandia (Maansi Srivastava/The Washington Post)

O mapa ainda tem as anotações a lápis que ele fez.


“O LCI vai chegar aqui”, ele rabiscou em um ponto, referindo-se ao navio de infantaria de embarcações deveria desembarcar ele e outros soldados, não muito longe de onde fica hoje o Cemitério Americano da Normandia.


Morris disse: “Todas essas anotações a lápis são recentes, e ele as teria feito antes, provavelmente pouco antes, em preparação para o desembarque”.


O mapa é colorido, impresso nos dois lados, e está amassado e esfarrapado pelo tempo.


“Ele foi um sobrevivente”, disse Morris enquanto examinava recentemente o mapa em um cofre da biblioteca. “E este é um sobrevivente”.


“Temos muitos mapas relacionados a guerras, obviamente”, disse ele. “A guerra é um grande negócio para a cartografia. Mas, que eu saiba, não temos nenhum no qual realmente possamos documentar o Dia D. É isso que torna esta peça particularmente especial”.


“Felizmente, ele era um cronista”, disse Morris. “Esse cara sabia que ele era parte de algo”.


Vaghi foi um dos nove filhos – seis meninos e três meninas – de imigrantes italianos de Bethel, Connecticut. Depois da guerra, ele estudou na Universidade Católica, tornou-se arquiteto e morou em Kensington em uma casa que projetou e ajudou a construir.


Ele e sua esposa, Agnes, criaram quatro meninos lá.


Joseph P. Vaghi III disse que seu pai mal falou sobre a guerra até o 50° aniversário do Dia D em 1994. “Por 50 anos ele nunca contou... a nenhum de nós” o que ele tinha feito, disse ele. “Nós não tínhamos idéia”.


“Quando crescemos, nunca falamos sobre a guerra, nunca”, disse ele.


“Quando ele voltou, ele queria seguir em frente com sua vida”, disse o jovem Vaghi. Mas se ele ouvisse fogos de artifício ou um estrondo alto, “ele pularia um quilômetro de susto”.


“Ele era um homem muito religioso”, acrescentou seu filho. “Ele acreditava: ‘Ok, esta é a vontade do Senhor, É isso que temos que fazer e seguirmos em frente’”.


“O mapa foi a única coisa que ele disse: ‘A coisa mais importante na minha vida, além da minha esposa e dos meus filhos, foi este mapa. Ele me colocou naquela praia, e colocou nosso grupo naquela praia em segurança naquele dia”, disse o Vaghi mais jovem.


Depois que seu pai morreu, seu filho guardou o mapa em um cofre de banco. Ele se perguntou sobre o que fazer com o mapa durante anos. Um conhecido da família, Tom Liljenquist, um importante doador da Biblioteca do Congresso, sugeriu a biblioteca como um lar.


Vaghi disse que seu pai considerou doar o mapa para várias outras instituições, mas não conseguiu se decidir. Ele disse que seu pai lhe deu o mapa e disse: “Fique com ele. Na hora certa você saberá o que fazer”.


“Como o destino quis, não há lugar melhor no mundo do que a Biblioteca do Congresso”, disse ele.


A família também está doando um diário de bordo especial que seu pai mantinha com informações detalhadas sobre seus homens e um grande lote de cartas, papéis e reminiscências do pós-guerra.


Alguns anos antes de morrer, o velho Vaghi pegou o antigo mapa e escreveu uma anotação nele:


“Dia D. Desembarcado as 0730 em 6 de junho de 1944. Usei este mapa enquanto estive na praia”.


Então ele assinou: “Joseph P. Vaghi Mestre de Praia do setor Easy Red”

#curiosidadescartograficas







Fonte: https://www.washingtonpost.com/history/2022/07/05/d-day-omaha-beach-map-library-congress/


Publicado na Página Curiosidades Cartográficas do Facebook em: https://www.facebook.com/curiosidadescartograficas/posts/pfbid06RWL1jNGtc1pFarQaEPiyGR33RxVMJTQVQrZHXWbaxWFTQSBxMF3AWnSUvXQBL4Cl

12 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo