top of page
  • Foto do escritoremvolpi9

O mapa de 1855 que revolucionou a prevenção de doenças e a visualização de dados

Descubra o mapa das bombas d´água da Street Board, de John Snow



Não, ele não ajudou a derrotar um exército de zumbis implacáveis com a intenção de acabar com toda a vida. Mas o obstetra inglês John Snow parece tão importante quanto o herói de Game of Thrones, de mesmo nome, por seu papel em persuadir a medicina moderna da teoria dos germes das doenças. Durante o surto de cólera em Londres, em 1854, Snow convenceu as autoridades e os críticos de que a doença se espalhou a partir de uma bomba d´água contaminada na Broad Street, levando ao agora lendário mapa infográfico acimia, mostrando as incidências de cólera agrupadas em torno da bomba.


A persistência de Snow resultou na remoção da manivela da bomba da Broad Street que foi creditada como o fim de uma epidemia que ceifou 500 vidas. O mapa das Bombas da Broad Street se tornou “uma característica duradoura do folclore da saúde pública e da epidemiologia”, escreveram os autores de um artigo publicado no The Lancet. Eles também apontam que, ao contrário do que se costuma dizer, o “mapa não deu origem à percepção” de que a bomba e sua manivela coberta de germes causaram o surto. “Em vez disso, tendia a confirmar as teorias já mantidas pelos vários pesquisadores".


O próprio Snow publicou um panfleto em 1849 chamado “Sobre o modo de transmissão da cólera”, no qual argumentava que “a cólera é transmitida pelas evacuações do canal alimentar”. Como ele lembrou aos leitores do The Edinburgh Medical Journal em uma carta de 1856, no mesmo ano, “o Dr. William Budd publicou um panfleto “Sobre a cólera maligna”, no qual ele expressava pontos de vista semelhantes aos meus”. A teoria dos germes já tinha uma história longa e notável, e Snow e seus contemporâneos formularam argumentos sólidos e baseados em evidências para isso.


Mas sua posição “foi em grande parte ignorada pelo sistema médico”, observa Randy Alfred, da Wired, “e foi contestada por uma empresa de água local perto de um surto surto, em Londres”. A opinião científica convencional aceita, sustentava que todas as doenças eram transmitidas através de “miasma” ou de um ar ruim. A poluição, pensou-se, deveria ser a causa. Após a remoção da manivela da bomba, Snow publicou uma monografia em 1855 sobre doenças transmitidas pela água. Esta foi a primeira aparição pública do lendário mapa – após a remoção do identificador da causa da doença.


Ajudando a informar sobre o mapa de Snow, outro pesquisador, o pároco Henry Whitehead “concluiu que foi a lavagem de fraldas sujas em esgotos que fluiu para a fossa comum que contaminou a bomba e iniciou o surto”, escreve o site Atlas Obscura. Whitehead, um antigo crítico da teoria dos germes, apontou mais tarde que a remoção da manivela da bomba na verdade não interrompeu a epidemia, que, segundo ele, “já havia terminado seu curso” naquele ponto.



No entanto, Snow e outros proponentes da teoria foram confirmados, Whitehead teve que admitir, que a intervenção de Snow “provavelmente teve tudo a ver com a prevenção de um novo surto”. A simples, mas sofisticada, visualização de dados levaria a novas formas radicais de conceitualizar surtos de doenças, ajudando a deter ou prevenir quem sabe quantas epidemias antes de matar centenas ou milhares. O mapa de Snow também merece crédito por fornecer aos jornalistas de dados um modelo de como se trabalhar hoje.


Essa não foi a primeira ou única visualização de dados dos surtos de cólera da época. “Já na década de 1830”, ressalta o site Visual Capitalist, “os geógrafos começaram a utilizar a análise espacial para estudar a epidemiologia da cólera”. Mas o mapa de Snow era de longe o mais influente e eficaz de todos. Em sua palestra no TED, no vídeo acima, o jornalista Steven Johnson (autor do livro “The Ghost Map:The Story of London's Most Terrifying Epidemic and How It Changed Science, Cities, and the Modern World”, ou “O mapa fantasma: Como a luta de dois homens contra o cólera mudou o destino de nossas metrópoles”) conta a história de como o surto, a teoria e o mapa de Snow “ajudaram a criar o mundo em que vivemo hoje, e particularmente o tipo de cidades em que vivemos hoje”.


Leia a uma sessão de perguntas e respostas com Johnson aqui; vá até o Data Blog do The Guardian para ver a visualização de Snow recriada sobre um moderno mapa de Londres e do bairro Soho da famosa bomba da Broad Street; e saiba mais sobre Snow e os surtos mortais de cólera nas lotadas cidades europeias do início do século 19 no John Snow Archive and Research Companion online. #curiosidadescartograficas








35 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


Post: Blog2_Post
bottom of page