O incrível mapa de Hitler que virou a América contra os nazistas

O relato brilhante de um importante romancista sobre como espiões britânicos nos EUA organizaram um golpe que ajudou a arrastar Roosevelt para a guerra.


Por William Boyd


“Tenho em minha posse um mapa secreto, feito na Alemanha pelo governo de Hitler - pelos planejadores da Nova Ordem Mundial. Este mapa deixa claro o projeto nazista, não apenas contra a América do Sul, mas também contra os Estados Unidos ...”


Era 27 de outubro de 1941. O orador era Franklin D. Roosevelt, 39° presidente dos Estados Unidos, um país que ainda não havia entrado na guerra e cujos cidadãos, para a crescente ansiedade da Grã-Bretanha e de seus amigos aliados, mostravam poucos sinais de que desejava lutar contra os alemães.


Muitos dos cidadãos mais ricos e influentes da América eram ativamente pró-nazistas.


O mapa era um atlas hipotético da América do Sul dividido em quatro novos enormes estados - ou ‘gaus’ - a serem administrados pela Alemanha: Brasilien, Argentinien, Neuspanien e Chile.


As margens continham notas manuscritas em alemão perguntando sobre o fornecimento de combustível para as rotas aéreas da Lufthansa entre a África e a América do Sul e, mais importante, redes de companhias aéreas que se estendiam ao norte até o Panamá e o México - bem na porta dos Estados Unidos.

Para Roosevelt, determinado a acabar com o isolacionismo dos EUA, isso foi mais do que um golpe. Foi uma prova inestimável da agressão nazista através do Atlântico, alcançando seus vizinhos mais próximos.


Com as ambições imperiais da Alemanha expostas, a maré de opinião começou a se voltar significativamente para a Grã-Bretanha, abrindo caminho para o que viria a ser a intervenção decisiva da América.


No entanto, as origens do notável documento de Roosevelt permanecem totalmente misteriosas - tão sombrias quanto a corajosa, mas principalmente esquecida, equipe de agentes britânicos que, de alguma forma, o obteve pela primeira vez.


Os homens e mulheres da Coordenação da British Security Coordination (BSC) haviam sido enviados para o outro lado do Atlântico pelo próprio Winston Churchill, com ordens de quase nada parar seus esforços para desacreditar a causa nazista.


A falsificação estava bem dentro das suas atribuições.


Quando se trata de escrever um romance, às vezes a “sorte” é tão valiosa quanto a inspiração. Em 2005, fui inspirado a escrever um romance de espionagem ambientado na Segunda Guerra Mundial, mas queria criar algo diferentes e desconhecido - nada de saltar de paraquedas na França ocupada ou de decifrar códigos em Bletchley Park.


Na época, fiquei intrigado com a relação entre Churchill e Roosevelt e tive um palpite de que ela não era tão calorosa assim como geralmente parecia ser. Então, enquanto lia sobre o assunto, tive um golpe de sorte. Me deparei com um comentário descartádo sobre “os truques sujos de Churchill nos EUA”.


Do que se tratava isso tudo, eu me perguntei? Logo percebi que havia encontrado ouro na narrativa - pelo menos no que dizia respeito ao meu romance. O que encontrei foi um livro com o título insípido de Coordenação de Segurança Britânica.


Ele era uma reimpressão de um longo documento anônimo detalhando as atividades do referido grupo de 1940 a 1945, com cerca de 500 páginas e repleto de detalhes preciosos. O BSC foi criado por Churchill em 1940, pouco depois de ele se tornar primeiro-ministro. Ela era uma organização abrangente que se valeu da experiência do MI5, MI6 e do Executivo de Operações Especiais e foi encarregada especificamente de fazer tudo ao seu alcance para mudar a opinião pública americana de sua posição esmagadoramente isolacionista e não intervencionista, e de alguma forma trazer os EUA para a guerra na Europa.


Ao assumir o cargo, Churchill declarou que esse era seu objetivo vital e primordial - sem os EUA do nosso lado, a guerra contra Hitler não poderia ser vencida.


Dealbreaker: Para Roosevelt, o plano de Hitler de invadir a América do Sul foi uma prova inestimável da agressão nazista através do Atlântico, atingindo seus vizinhos mais próximos
Dealbreaker: Para Roosevelt, o plano de Hitler de invadir a América do Sul foi uma prova inestimável da agressão nazista através do Atlântico, atingindo seus vizinhos mais próximos

Esquecemos hoje - nesta era da chamada “relação especial” - como a população americana era predominantemente anglófoba em 1940. Grupos poderosos se opuseram violentamente a qualquer participação na guerra na Europa. Imigrantes alemães e italianos e facções republicanas irlandesas tinham seus rancores e razões próprias para não querer que os EUA se tornassem aliados da Grã-Bretanha.


O virulentamente isolacionista movimento America First, liderado pelo célebre aviador Charles Lindberg, tinha cerca de um milhão de membros e centenas de “capítulos” em todo o país. As pesquisas indicaram que cerca de 80% da população americana era contra o ingresso na guerra na Europa. Nesse clima fervoroso de opinião negativa, o desafio para o BSC foi enorme. A principal arma que empregaram foi o que foi denominado de guerra política - a propagação de propaganda negra contra a ameaça dos países Nazistas/Eixo e a promoção urgente do intervencionista caso britânico .


O BSC era controlado e supervisionado por um rico canadense chamado William Stephenson. Ele realocou seu escritório para ao Rockfeller Center em Manhattan onde, em seu momento de maior poder e influência, o BSC ocupou três andares. Ele usava o disfarce de um Escritório de Controle de Passaportes (uma seção da Embaixada Britânica), mas na verdade ele logo se tornou o centro nervoso de um grande esforço de manipulação da mídia e operações secretas que se estendeu do Chile às Bermudas e a Vancouver.


O BSC secretamente operava sua própria poderosa estação de rádio de ondas curtas, a WRUL. Parecia uma estação americana genuína, mas disseminava uma enxurrada constantes de notícias pró-britânicas e anti-isolacionaistas. Foi criada uma agência de notícias, a Overseas New Agency (ONA), que fornecia matérias aos jornais americanos.


Os ‘cut-outs’, como eram conhecidos os simpatizantes e subagentes americanos, eram usados para ocultar as fontes dessas informações. Ninguém jamais quantificou totalmente o número de pessoas que trabalharam para o BSC durante a guerra, mas chegou a centenas, senão milhares de pessoas.


Todos os tipos de esquemas foram desenvolvidos pelo BSC para fomentar o sentimento antinazista. Walter Winchell, cuja coluna no jornal foi lida por 25 milhões de americanos, recebeu uma carta falsa, com provas documentais - supostamente escrita por um marinheiro mercante americano - sobre os esforços de propaganda alemã nos Estados Unidos. Ela apareceu oportunamente em sua coluna.


Um falso astrólogo húngaro, Louis De Wohl, foi despachado da Grã-Bretanha para os Estados Unidos em uma turnê de palestras, dizendo ao público que as estrelas previam que Hitler morreria. Ele alegou que o horóscopo de Hitler mostrava que Netuno estava na casa da morte e, naquele mesmo verão de 1941, Urano e Netuno coincidiriam para ocasionar sua morte.


O BSC também teve um comunicado divulgado no Egito por outro astrólogo, Sheikh Youssef Afifi, que corroborou de forma independente as previsões de Wohl, dizendo que ‘um planeta vermelho aparecerá no horizonte oriental e indicará que um perigoso malfeitor, que encharcou o mundo em sangue, vai passar’.


Simultaneamente, correspondentes na Nigéria relataram que um célebre sacerdote feiticeiro, chamado Ulokoigbe, teve uma visão em que uma figura de Hitler - “Cabelo Comprido” - escorregou “de uma rocha alta e caiu gritando como um louco”.


Essas histórias foram devidamente veiculadas pela imprensa americana, fazendo com que a profecia de De Wohl parecesse espantosa. O grande plano do BSC era que pudesse chegar aos ouvidos de Hitler, que era conhecido por acreditar em astrologia.


O BSC desenvolveu um jogo travesso chamado ‘Vik’ - um ‘novo e fascinante passatempo para os amantes da democracia’. Equipes de jogadores do Vik nos EUA marcavam pontos dependendo do nível de constrangimento e irritação que causaram aos simpatizantes nazistas. Os jogadores foram incentivados a se entregar a uma série de perseguições mesquinhas - ligações persistentes de ‘número errado’ durante a noite; ratos mortos jogados em tanques de água; encomendar presentes incômodos de serem entregues, para pagamento em dinheiro na entrega, para endereços específicos; esvaziar os pneus dos carros; contratar músicos de rua para tocar “God Save the King” do lado de fora das casas dos simpatizantes nazistas e assim por diante.


Um departamento especial foi criado como uma “fábrica de boatos”. Por exemplo, surgiu um boato afirmando que os britânicos haviam desenvolvido uma carga de profundidade devastadora com um novo explosivo incrivelmente poderoso. Isso desmoralizaria as tripulações dos submarinos alemães. A ONA divulgou a história com uma linha de dados de Ancara, na Turquia, que foi telegrafada ao correspondente da Tass, da União Soviética, em Washington. Isso foi transmitido de Moscou - em 1940, a Rússia ainda não estava em guerra com a Alemanha - citando a fonte neutra.


Isso foi captado pela imprensa dos Estados Unido, onde então apareceu como uma história verdadeira nos jornais americanos - portanto, itens de interesse relacionado à guerra, fabricados no Rockefeller Center, viajaram ao redor do mundo para ressurgir na mídia americana como notícias genuínas.


No entanto, quando se tratou de minar o America First - que suspeitava muito das atividades secretas britânicas - o BSC teve que ser mais astuto.


Nos comícios do America First, o nome de Churchill era saudado com vaias, enquanto o de Hitler recebia um silêncio respeitoso. Para um comício no Madison Square Garden, em Nova York, o BSC falsificou milhares de ingressos duplicados, causando grande confusão quando as pessoas descobriram que seus lugares estavam reservados em dobro.


Acusações de falsificação: Franklin D. Roosevelt, retratado com Winston Churchill na Conferência de Casablanca no Marrocos em janeiro de 1943, fez um comentário descartável sobre os “truques sujos de Churchill nos EUA”.
Acusações de falsificação: Franklin D. Roosevelt, retratado com Winston Churchill na Conferência de Casablanca no Marrocos em janeiro de 1943, fez um comentário descartável sobre os “truques sujos de Churchill nos EUA”.

Em outro comício, em Milwaukee, um congressista americano violentamente anti-britânico, Hamilton Fish, recebeu um bilhete escrito em letras garrafais, “Der Fuher agradece por sua lealdade’. Essa foto foi tirada por um fotógrafo plantado e deu uma excelente reprodução. Pelo menos algo estava sendo feito para apresentar o caso britânico ao povo americano e o efeito do esforço do BSC foi impressionante - mas teria realmente influenciado a opinião pública americana a ponto de uma intervenção na guerra ser bem-vinda?


O BSC precisava apresentar uma ameaça mais tangível e uma das operações mais elaboradas de sua história foi iniciada no final de 1941, originando-se na região neutra, mas significativamente pró-Eixo, de Buenos Aires, na Argentina.


Em outubro de 1941, um mensageiro alemão da embaixada se envolveu em um acidente de carro no centro de Buenos Aires. Ele estava sendo seguido por agentes do BSC e, na confusão, sua mala foi roubada e saqueada.


Dentro dela, supostamente, estava um mapa alemão dividindo a América do Sul em feudos alemães. Este, foi enviado para Nova York e encontrou o seu caminho para o FBI e, em seguida, para o próprio Roosevelt - com resultados satisfatórios. Foi este o maior golpe do BSC? Muito possivelmente, mas havia, supostamente, apenas duas cópias desse mapa - uma mantida por Hitler e a outra pelo embaixador alemão na Argentina.


Depois que o discurso de Roosevelt foi feito, os alemães investigaram e descobriram que os dois mapas ainda estavam com seus donos - então o terceiro mapa, aquele que Roosevelt citou, deve ter sido uma cópia.


Mas quem o copiou e por que um documento tão secreto e incendiário estava sendo levado em uma mala de despacho por um simples mensageiro da embaixada? O mapa da América do Sul era, estou convencido, uma falsificação elaborada, inventada pelo departamento especializado em falsificações do BSC (conhecido como Estação M e com sede no Canadá). Ele enganou o chefe da CIA, J. Edgar Hoover, e Roosevelt, e tendo visto uma reprodução dele, posso testemunhar sua autenticidade - a margem rabiscada por algum oficial alemão anônimo, fazendo perguntas precisas sobre o suprimento de combustível e a participação mexicana, sendo o golpe de mestre.


Nos anais das operações secretas, essa foi uma das mais significativas e bem-sucedidas de todos os tempos. E ainda assim nós, os britânicos, nos mantivemos extremamente calados sobre isso. O sucesso notável do BSC não tem lugar em nossa história de espionagem em comparação com, por exemplo, Bletchley Park e as descriptografias da Enigma.


Não houve triunfalismo, nem aplausos, nem heróis homenageados. É como se estivéssemos um tanto envergonhados com a engenhosidade astuta que exibimos na maneira como conseguimos enganar nosso aliado mais poderoso e necessário.


Será que o mapa da América do Sul foi o catalisador para os EUA finalmente abandonarem seu isolacionismo? Nunca saberemos porque no domingo, 7 de dezembro de 1941, apenas 41 dias após a forte denúncia de Roosevelt das ambições regionais nazistas, a frota americana em Pearl Harbor, no Havaí, foi atacada pelos japoneses. Os Estados Unidos declararam guerra ao Japão e, um dia depois, Itália e Alemanha, aliados do Japão, declararam guerra à América. O principal objetivo do BSC, a ordem crucial de Churchill, foi efetivamente alcançado - graças aos japoneses.


O BSC permaneceu nas Américas até 1945, quando foi dissolvido e sua história foi escrita, sendo um dos três autores Roald Dahl, que foi destacado para o BSC em 1942.

E então todo mundo ‘esqueceu’ disso. Os detalhes das operações secretas britânicas durante a guerra nos Estados Unidos foram varridos o máximo possível para debaixo do tapete histórico - não surpreendentemente, quando se considera a extensão maciça da penetração do BSC na mídia americana e sua manipulação brilhantemente inteligente das organizações de notícias do país.


Um comentarista americano que leu a história do BSC disse: “Como muitas operações de inteligência, esta envolvia uma ambiguidade moral requintada. Os britânicos utilizaram métodos implacáveis para atingir seus objetivos; pelos padrões de tempos de paz de hoje, algumas das atividades podem parecer ultrajantes”.


No auge e na disseminação de seu poder, o BSC foi capaz de plantar propaganda pró-britânica e propaganda negra antinazista em todos os veículos importantes da mídia americana, desde os jornais e agências de notícias de maior circulação até os colunistas e as mais influentes emissoras de rádio. Foi até capaz de alcançar a mesa do próprio presidente.


Qualquer que seja a explicação desse mapa, a história secreta do BSC e a extraordinária realização de suas atividades secretas nos Estados Unidos provaram - 60 anos depois - serem úteis para meu livro de ficção. Um romancista britânico ficou extremamente grato.

#curiosidadescartograficas


Fonte: https://www.dailymail.co.uk/news/article-2673298/Hitlers-amazing-map-turned-America-against-Nazis-A-leading-novelists-brilliant-account-British-spies-US-staged-coup-helped-drag-Roosevelt-war.html


Publicado na página Curiosidades Cartográficas do Facebook em: https://www.facebook.com/curiosidadescartograficas/posts/1742337215959805

114 visualizações0 comentário