• emvolpi9

Mapas de Piri Reis: Harmonia da arte e da ciência



Visão completa do mapa-múndi de Piri Reis. (Foto iStock)

O pioneiro Cartógrafo Piri Reis aliou em suas obras o gosto estético ao conhecimento marítimo, deixando para trás alguns dos mapas mais distintos da história

O poder marítimo turco começou a aumentar durante o reinado do Sultão Otomano Mehmed II, também conhecido como Mehmed, o Conquistador. Com seus esforços, o poder veneziano nos mares foi interrompido, deixando um vácuo que foi substituído pelas marinhas espanhola e portuguesa. Oruç Reis e Hizir Hayreddin Reis, conhecidos como os “irmãos Barbarossa” e famosos por suas lutas contra os espanhóis no Mediterrâneo, levariam a força marítima turca ao auge com o apoio do sultão Suleiman I, também conhecido como Suleiman, o Magnífico. As vitórias dos otomanos em terra logo foram comparadas às das ondas.


No cerne dessas conquistas estava, sem dúvida, o conhecimento de geografia, astronomia, geometria e álgebra ensinados nas madrassas (complexos educacionais islâmicos). Os Otomanos estavam familiarizados com os principais mapas do velho mundo dos livros clássicos de geógrafos islâmicos. Os marinheiros Otomanos não eram um grupo de piratas combatentes. Eles não obtiveram sucesso por meio de lendas ou profecias. Os sultões incentivaram os marinheiros a fazer mapas, memorizar a geografia das regiões que exploraram em detalhes e fazer medições que minimizassem quaisquer erros nos relatórios de rota.


Um busto de Piri Reis no Museu Naval de Istambul

Assim, em meados do século XVI, foram realizados estudos com informações bastantes precisas. Piri Reis, um dos grandes almirantes do reinado de Suleiman, o Magnífico, foi um dos protagonistas dessa obra.


O historiador Otomano Şemseddin Ahmed, mais conhecido pelo pseudônimo de Kemalpaşazade, diz sobre os anos de infância de Piri Reis: “Ele cresceu na água como crocodilos em Gallipoli”.

Tendo aprendido a arte da navegação com seu tio Kemal Reis, Piri Reis participou do transporte de muçulmanos e judeus que fugiram da Inquisição espanhola durante o reinado de Bayezid II. Ele serviu como capitão em muitas guerras navais Otomanas e se aprimorou constantemente no campo da cartografia.


Além de um almirante mais do que capaz, ele foi o mais destacado capitão do mar de sua época, com um vasto conhecimento de geografia e de astronomia. Existem muitos outros como ele em termos de sucesso militar, mas uma característica que o distingue de seus colegas foi seu dom para desenhar mapas, muitos dos quais sobreviveram até os dias de hoje.


O Livro da Navegação


Piri Reis transmitiu suas observações e experiências na navegação marítima, que começou a aprender com seu tio Kemal Reis, em um livro chamado "Kitab-ı Bahriye" (O Livro da Navegação). “Bahr” significa grande lago ou mar em árabe. O livro fornece informações detalhadas sobre mares e ilhas, começando com as aldeias de Sultaniye, Kilitbahir e Tenedos e continuando através do Mar Egeu, o arquipélago de Peloponeso, a costa do Adriático, Veneza, as Ilhas Canárias, a costa do Norte da África, o Egito, o Nilo, Mediterrâneo Oriental, Creta, Chipre e as ilhas e portos da costa ocidental da Anatólia.


Mapa da cidade de Alexandria

O Grão-Vizir Ibrahim Pasha solicitou uma cópia completa do “Kitab-ı Bahriye”, que Piri Reis concluiu em 1521, para ser apresentada ao Sultão Suleiman, o Magnífico, durante sua expedição ao Egito em 1524. O segundo texto, apresentado ao Sultão por Ibrahim Pasha em 1526, também foi editado como um poema de Seyyid Muradi.


Piri Reis retratou cada porto um a um e decorou seu livro com figuras de construções importantes encontradas em cada um deles. Ele também representou áreas pouco profundas, praias, portos seguros, falésias, recursos hídricos e povoações. Uma singularidade em cores e estilo se destaca em seus mapas. Na cópia apresentada ao Sultão, podem ser encontrados 290 mapas dos mares Mediterrâneo e Egeu. Nos períodos seguintes, os marinheiros fizeram acréscimos ao livro e o expandiram ainda mais.


O mapa de Piri Reis


O famoso mapa de Piri Reis de 1513 desapareceu por muito tempo antes de ser encontrado durante uma exploração realizada no Palácio de Topkapi em 1929. Halil Ethem, então diretor de museus nacionais, examinou o mapa com o orientalista alemão Gustav Adolf Deismann, que estava em Istambul naquele momento.


Deismann decidiu mostrar o mapa a um amigo próximo, Paul Kahle, pesquisador de geografia e cartografia islâmicas. Kahle foi convidado a visitar o Palácio de Topkapi e relatou a descoberta no Congresso de Orientalistas na cidade holandesa de Leiden em setembro de 1931.


A declaração foi logo traduzida para outras línguas e espalhada por todo o mundo. Mas Kahle havia sublinhado erroneamente que o que fora descoberto era “o mapa de Cristóvão Colombo”.


Uma pequena parte do mapa do mundo de Piri Reis, feito em 1513, foi descoberta em 1929 no Palácio Topkapi, em Istambul. (Foto iStock)

O mapa foi retratado erroneamente dessa forma na mídia turca e estrangeira. A razão para isso é que o continente americano também havia sido mostrado no mapa e, portanto, foi considerado que “uma vez que foi Colombo quem descobriu a América, o mapa deveria pertencer a ele”.


Após essa avaliação, a Sociedade Histórica Turca apelou à revista “The Illustrated London News” para corrigir esses erros. Um artigo divulgado posteriormente mostrou fotos do mapa e do “Kitâb-ı Bahriye" de Piri Reis. Outras publicações também foram feitas - retificando assim uma série de problemas.


O interesse pelo famoso mapa de Piri Reis, que foi apresentado ao Sultão Selim I, também conhecido como Selim, o Cruel, no Cairo em 1517, não diminuiu desde a sua descoberta em 1929. Apenas uma parte deste mapa-múndi, feito em Gelibolu, também conhecido como Gallipoli, em março de 1513, sobreviveu até hoje. As partes restantes do mapa mostravam a Espanha, Portugal, África Ocidental e as partes orientais das Américas.


O mapa contém os nomes dos lugares, bem como as datas em que foram descobertos, ao lado de notas e informações sobre a criação da obra.


A partir dessas notas, entende-se que Piri Reis fez uso de 34 mapas. Destes, 20 foram atualizados desde então e oito foram desenhados por geógrafos muçulmanos, enquanto quatro remontam aos portugueses. Entre essas fontes, a mais impressionante foi um mapa encontrado na Biblioteca de Alexandria datado de 2.000 anos e um mapa de Colombo datado de 1498, nenhum dos quais sobreviveu até os dias de hoje.


Uma das outras características significativas do mapa é que os detalhes são semelhantes aos representados apenas em fotografias aéreas. O elemento mais notável pode ser encontrado na representação de Piri Reis das costas da antártica, que apenas técnicas modernas podem mostrar terem sido obtidas antes do desenvolvimento de certos glaciares. Isso significa que algumas das fontes de Piri Reis incluíam mapas elaborados antes da idade do gelo.


Procurando por Atlântida

Mapa da Baía de Messiniakos (Baía de Messini) por Piri Reis.

Vários estudos conjuntos foram realizados no mapa, incluindo a busca pela cidade mitológica de Atlântida. Enquanto eram procuradas as peças que faltavam na Biblioteca do Museu do Palácio de Topkapi, outro mapa pertencente ao almirante foi encontrado. Esta parte mostra o norte do Oceano Atlântico e as costas da América do Norte e Central.


O mapa feito em Gallipoli em 1528-1529, com a assinatura “Pîrî Reis bin el-Hâc Mehmed” (ou, “Piri Reis, filho de Hacı Mehmed"), foi provavelmente feito para Suleiman, o Magnífico.


Os pesquisadores afirmam que a obra, que mostra Cuba, Haiti, Flórida e a costa leste da América do Norte, não é na verdade um mapa-múndi, mas uma obra especial em grande escala feita para representar juntos a capital Otomana e o Novo Mundo.


Os mapas, junto com todo esse vórtice de conhecimento, mostram como o Velho Mundo era colorido. Com base no “Kitâb-ı Bahriye” de Piri Reis e seus mapas fragmentados, entendemos que ele era um cartógrafo meticuloso e um mestre artesão.

#curiosidadescartograficas



Fonte: https://www.dailysabah.com/arts/maps-of-piri-reis-harmony-of-art-and-science/news


Publicado na página Curiosidades Cartográficas no Facebook, em: https://www.facebook.com/curiosidadescartograficas/posts/1632646463595548



144 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo