George Everest, o Cartógrafo Geral da Índia

Atualizado: 23 de jul.

Sir George Everest foi o cartógrafo responsável por completar o levantamento topográfico da Índia. Seu trabalho inovador, à frente de seu tempo, permitiu calcular com grande precisão a altura do telhado do mundo, a montanha que hoje leva o seu nome.

Por J. M. Sadurní




Quando ouvimos a palavra Everest, todos pensamos na montanha mais alta do mundo. Este nome icônico se tornou parte do imaginário coletivo mundial, mas, apesar disso, Sir George Everest (4 de julho de 1790 – 1 de dezembro de 1866), o homem a quem a montanha deve seu nome, nunca concordou em que o telhado do mundo deveria ter esse nome.


Um grande erudito


Embora na era de ouro da exploração fosse comum os membros da expedição nomearem alguns dos lugares que visitaram com seus próprios nomes, o Everest não foi um desses casos. Além disso, George Everest nunca viu com os próprios olhos a montanha que levaria seu nome e, embora não faltasse méritos para deixar sua marca na história da geografia, a sua história não era a história romântica de um explorador, mas a crônica técnica e tranquila de um cartógrafo, que se dedicava a medir terras.


George Everest nunca chegou a ver com os seus próprios olhos a montanha que levaria o seu nome

Depois de estudar em uma academia militar, o jovem George viajou para a Índia em 1806 onde, graças à sua facilidade para matemática e astronomia, ele logo foi comissionado como cartógrafo (um especialista em medir a superfície da terra e projetar os planos correspondentes). Em 1818 ele foi nomeado assistente de William Lambton, diretor do Grande Projeto de Levantamento Trigonométrico da Índia, a quem substituiria como superintendente em 1823. Durante sua estada em Hyderabad, o Everest foi responsável pelo levantamento do arco meridiano (determinação muito precisa da distância entre dois pontos na mesma longitude) do ponto mais meridional da Índia até o Nepal, uma distância que cobre cerca de 2.400 quilômetros. Uma tarefa colossal que levou trinta e cinco anos para ser concluída.


Foto: Istock

Um homem da saúde frágil


Mas George Everest foi muito mais do que apenas um cartógrafo. Ele foi um inventor. Como engenheiro, ele aperfeiçoou os instrumentos de agrimensura de sua época. Com esses equipamentos aprimorados, ele fez medições altamente precisas desde o Himalaia até o extremo sul do subcontinente indiano. Este foi um feito impressionante para a época, considerando que foi feito por meio de medições no terreno, sem o auxílio dos atuais lasers de alta tecnologia, satélites ou fotografias aéreas. Antes do Everest aperfeiçoar seus dispositivos de medição, todos os levantamentos de terreno eram realizados com teodolitos primitivos, instrumentos de medição óticos-mecânicos que eram usados para medir ângulos verticais e, acima de tudo, horizontais.


Everest melhorou os instrumentos de topografia do seu tempo, conseguindo medições altamente precisas desde o Himalaia até o extremos sul da Índia

Ao longo de seus anos de trabalho de campo, o Everest contraiu inúmeras doenças que prejudicaram sua saúde: malária, febre tifoide, hepatite, doença da floresta Kyasanur (uma febre hemorrágica viral transmitida por carrapatos), síndrome de Guillain-Barré (uma doença autoimune do sistema nervoso) e uma possível neurossífilis, juntamente com episódios da chamada doença do “Chapeleiro Louco”, causada pela ingestão de mercúrio, elemento que o Everest ingeria em grandes doses para tratar seus males.


Reconhecimento eterno


Apesar de sua saúde delicada, Everest era um trabalhador incansável e consciencioso. Ele não deixaria uma área de trabalho até que tivesse absoluta certeza de que havia obtido as leituras e dados exatos. Suas informações meticulosas ajudaram a tornar os mapas da Índia muito mais precisos, e sua meticulosidade abriu as portas para várias instituições científicas, incluindo a prestigiosas Royal Geographical Society de Londres. Após sua aposentadoria e retorno à Inglaterra, seu posto na Índia foi assumido por seu aluno Andrew Scott Waugh.


Em 1841, Waugh completou a medição do meridiano do Norte e fixou seus olhos no que era até então mais um dos picos nevados do Himalaia. De fato, só em 1852 é que o matemático bengali Radhanath Sikdar informou ao próprio Waugh que o pico conhecido como Pico XV da cordilheira era o mais alto do mundo, com uma altura de exatamente 8.839,2 metros (atualmente corrigido para 8.848 metros).


Foto: CC

A altura exata do Everest


Waugh levou alguns anos para confirmar os cálculos de Radhanath Sikdar. Finalmente, em 1856, ele anunciou seus resultados para a Royal Geographical Society, e embora tanto tibetanos quanto nepaleses já tivessem dado um nome à montanha (os nepaleses a chamaram de Sagarmatha, “frente do céu”, e os tibetanos a chamaram de Chomo Lungma, “mãe do universo”), Waugh propôs nomear o pico com o nome de seu predecessor.


Durante as décadas que se seguiram, a ideia de Waugh foi amplamente debatida pela Royal Geographical Society e entidades semelhantes. Outros estudiosos da Índia apresentaram suas próprias propostas, considerando-as mais adequadas para denominar a montanha: Deva-dhunga foi o nome proposto pelo naturalista e etnólogo Brian Houghton Hodgson, e Gaurisankar foi o proposta pelo explorador alemão Hermann Schlagintwei. O próprio Everest opôs-se ao seu nome, visto que, em suas palavras: “O nativo da Índia não pode pronunciá-lo e não pode ser escrito em hindi”. No entanto, em 1865, a Sociedade adotou oficialmente a designação proposta por Waugh como o nome definitivo para a montanha mais alta do planeta: Monte Everest.


O próprio Everest opôs-se ao seu nome, dizendo: "O nativo da Índia não pode pronunciá-lo e ele não podes er escrito em hindi".

George Everest foi nomeado cavaleiro pela Rainha Vitória por seus serviços à Grã-Bretanha e, paradoxalmente, nunca foi capaz de ver o pico que hoje leva seu nome. Após falecer por causa naturais aos 76 anos, Sir George Everest detém essa honra graças à sua reputação profissional incontestável e à estima que seus colegas cientistas demonstravam por ele.

#curiosidadescartograficas







Fonte: https://historia.nationalgeographic.com.es/a/george-everest-topografo-general-india_15428


Publicado na página Curiosidades Cartográficas no Facebook em https://www.facebook.com/curiosidadescartograficas/posts/1508572259336303

24 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo