Como um construtor de globos navega em um mundo digital

"É uma espécie de piada, mas, em certo sentido, quase sinto que poderia começar uma guerra"


Por Lauren Vespoli, 6 de abril de 2020


Kevin Dzurny, cartógrafo chefe da Replogle Globes, tem de manter as coisas atualizadas - e manter certos países felizes. REPLOGLE GLOBES

Há quase uma década, um carregamento de várias centenas de globos de Hillside, Illinois, chegou a um porto no Chile. Não havia nada de intrinsicamente errado com eles - eles eram redondos, retratavam a Terra com alguma medida de precisão e teriam passado no teste em quase qualquer outro lugar do mundo - mas os funcionários da alfândega chilena os enviaram de volta para o Replogle Globes, a fabricante com sede nos Estados Unidos. O problema era que os mapas neles não combinavam com a visão de mundo do Chile, que inclui o domínio chileno sobre certos territórios disputados - reivindicações que provavelmente são de pouca ou nenhuma preocupação para a maioria das outras nações. “É engraçado, o que descobrimos é que [um país] geralmente não se importa com nada fora desse país”, diz Kevin Dzurny, cartógrafo-chefe da Replogle, sobre os clientes internacionais da empresa. “Mas eu vou me complicar se essa fronteira política não estiver aparecendo”.


Dzurny é responsável pela precisão dos mapas nas centenas de milhares de globos que a Replogle vende em 100 países diferentes todos os anos. Quando ele foi contratado pela Replogle, 27 anos atrás, o Google Maps estava a mais de uma década de distância de ser lançado. A Replogle ainda não havia atingido o seu ápice de vendas de todos os tempos, que ocorreria no quarto trimestre de 2001, após o 11 de setembro. Naquela época, na escola e em casa, globos, atlas e mapas de papel eram como entendíamos a geografia do mundo e sua escala. Agora, em uma época em que você pode “caminhar” pelas ruas em um navegador da web e localizar qualquer lugar do mundo em questão de segundos, os globos, principalmente na América, estão se tornando menos referências principais do que objetos decorativos. “Em muitas escolas, os globos ficarão ali parados por uns 15 anos, o que me deixa muito chocado”, diz Dzurny. “A geografia, aqui não é tão importante como costumava ser”.


Mas no exterior, em muitos dos outros países onde a Replogle vende globos, eles ainda são usados nas salas de aula, de acordo com Dzurny - muitas vezes em países onde conflitos territoriais estão em curso ou ainda estão recentes na consciência nacional. “A geografia no exterior - na China e no Japão, na Sérvia e em lugares como esses - é muito importante”, diz Dzurny. “Eles ensinam e a impõem e querem que as pessoas aprendam sobre a geografia do mundo, não apenas sobre a de seu país”. Para países com o Chile, um globo pode ser algo mais do que decorativo ou mesmo educacional - pode ser uma expressão da identidade nacional, uma manifestação de orgulho e uma certa visão geopolítica do mundo. Como cartógrafo chefe da empresa, Dzurny é responsável por traçar e acompanhar essas variações que acontecem no mundo, e assegurar que o globo correto seja feito para cada país.


O Chile tem requisitos específicos para os globos que compra, incluindo a representação favorável de uma disputa territorial com o Peru. REPLOGLE GLOBES.

Essa reconfiguração geopolítica sempre fez parte dos negócios da Replogle, que foi fundada pelo ex-vendedor de materiais escolares Luther Replogle no início da Grande Depressão e floresceu durante a Segunda Guerra mundial quando o presidente Roosevelt encorajou os seus ouvintes a “saírem do seu globo” durante suas conversas ao pé da lareira. Como o predecessor de Dzurny, LeRoy Tolman, que trabalhou na empresa por 44 anos, disse ao The Wall Street Journal em 1986: “O cliente nem sempre tem razão. Mas ele é sempre um cliente”.


Vamos pegar aqueles globos com destino ao Chile, por exemplo. Qualquer globo aceitável para o Departamento Nacional de Fronteiras e Limites Nacionais do Chile deve incluir a reivindicação territorial do país na Antártica, que se sobrepõe às reivindicações britânicas e argentinas. Também deve denotar uma reivindicação marítima que remonta à Guerra do Pacífico do século 19, na qual o Chile conquistou terras do Peru e da Bolívia, e mais tarde reivindicou uma grande parte das abundantes águas pesqueiras da costa sul do Peru, embora as fronteiras marítimas não tenham sido oficialmente resolvidas na época. Em 2014, a Corte Internacional de Justiça de Haia decidiu a favor do Peru, removendo 8.000 milhas quadradas de oceano da reivindicação do Chile - mas não de seus globos. “O Chile nos fornece as dimensões reais da linha marítima e a latitude, longitude e direção dessa linha”, diz Dzurny.


Dzurny confirma os ajustes específicos de cada país com as agências governamentais pertinentes desses países, mas os erros ainda acontecem - “99,999% das vezes, é um erro no envio dos dados”, diz ele. Os globos enviados ao Chile eram em espanhol, mas não incluíam a cartografia aprovada. Então eles voltaram.


O Chile é um dos 11 países - junto com Japão, China, Argentina, Turquia, Índia, Paquistão, Grécia, Israel, Ucrânia e Rússia - que exigem uma cartografia específica da Replogle. “Para vender globos nesses países específicos, você tem que obedecer às regras e regulamentação desses países”, diz Dzurny. É meio que uma piada, mas em certo sentido, quase sinto que poderia começar uma guerra”.


A Replogle fabrica globos desde a Grande Depressão. REPLOGLE GLOBES

Um exemplo recente é a Caxemira, o território predominantemente muçulmano do Himalaia reivindicado tanto pela Índia quanto pelo Paquistão. Em agosto de 2019, o governo indiano revogou o status especial da Caxemira como uma região autônoma, enviou milhares de soldados para lá e cortou todo o telefone e o acesso à Internet na região. Nos três meses seguintes, “eu provavelmente recebi 15 ligações da Caxemira”, diz Dzurny, observando que clientes americanos e indianos perguntaram sobre como a Replogle retrata a região. A resposta depende de onde você está vendo o globo. Para os globos vendidos para a Índia, diz ele, “temos que garantir que nossas fronteiras estejam em conformidade com o governo da Índia” e mostrar a Caxemira dentro de suas fronteiras. Caso contrário, Dzurny cumpre com as normas da Agência Central de Inteligência (CIA), que coloca linhas pontilhadas ao redor da região para não demarcá-la como pertencente a um determinado país.


Na China, os globos devem mostrar Taiwan como parte da grande República Popular, usando as mesmas cores do continente. Eles também retratam a ‘Linha das nove raias’, uma reivindicação de uma parte significativa do Mar do Sul da China, onde países como Malásia, Brunei, Filipinas e Taiwan também reivindicaram território - e uma reivindicação sobre a qual Haia determinou que a China não tem uma legitimidade processual (No início de outubro de 2019, a fronteira apareceu em um mapa no filme de animação Abominável, fazendo com que Vietnã e Malásia retirassem o filme dos cinemas). “Se você não incluir essas zonas, essas linhas, você definitivamente não poderá vender globos na China”, diz Dzruny.


"Os nomes são muito poderosos"


O cartógrafo não se incomoda em fazer essas mudanças, e as visões de mundo que elas reforçam. “Se eu tenho alguma posição política? Na verdade, não, quero dizer, eu não poderia ter uma neste trabalho, em certo sentido. Trata-se de tentar lançar nosso produto Lá fora para ajudar as pessoas a aprender”, diz ele. “Você não pode simplesmente dizer: ‘A China está errada em ensinar [sua visão] ou a Índia está errada em ensinar sobre a Caxemira’. Essa é a política deles ... não é diferente do que fazemos aqui”.


No ponto de vista de Dzurny, o United States Board on Geographic Names (BGN), um órgão federal que trabalha com a Secretaria do Interior para implementar o uso uniforme de nomes em todo o governo federal, e no qual Dzurny confia como referência principal, é fortemente influenciado pela política americana. Como Trent Palmer, secretário executivo do BGN para nomes estrangeiros, explica: “Porque fazemos parte do governo dos EUA, precisamos apresentar uma posição unificada do governo dos EUA sobre os lugares estrangeiros, o que adentra na política externa”. O Comitê de Nomes Estrangeiros é composto por cerca de 15 membros de várias agências federais, incluindo o Departamento de Estado, a CIA e a Biblioteca do Congresso. “O Departamento de Estado pode ter uma posição sobre algo e, para ser consistente com essa política externa, isso resultará em um certo nome sendo aquele que o BGN autoriza para uso”, explica Palmer, levando a escolhas de nomes que podem ser controversos, como o Mar do Japão (disputado pela Coréia) ou o golfo Pérsico (que os países árabes chamam de “Golfo Árabe”). “Os nomes são muito poderosos”.


Os globos vendidos na Índia mostram a Caxemira como território incontestável (à esquerda) e os vendidos na China devem ter Taiwan da mesma cor do continente. REPLOGLE GLOBES

Embora os globos sejam cada vez menos comuns, Dzruny diz que na última década ele notou um aumento na consciência geográfica e atenção atenção especial às fronteiras desatualizadas, nomenclatura ou erros. Parece que mais clientes estão ligando para reclamar. “As pessoas estão mais atentas às atualizações dos mapas do que há 10, 12 anos”, diz ele. “Parece que as pessoas seguem mais politicamente o que está acontecendo no mundo”.


Agora que o Google Maps se tornou o cartógrafo mais influente do mundo (tão influente, na verdade, que em 2010 a Nicarágua usou um erro de fronteira como desculpa para invadir a Costa Rica), a Replogle manteve seus negócios focado nos globos como artefatos, relíquias que, ao contrário dos mapas digitais agnósticos e em tempo real do Google, capturam o momento geopolítico de sua criação e o senso de design do cliente. Por exemplo, o CEO da Replogle, Joe Wright, observa que a série Frank Lloyd Wright, que oferece estandes com base na estética do arquiteto, está atualmente “ressurgindo no Japão”. Presumivelmente, esses globos também incluem a reivindicação daquele país das quatro Ilhas Curilas - parte de uma disputa com a Rússia que remonta a 1945.


Dzruny entende a configuração atual do terreno. “Eu mantenho a cartografia atualizada”, diz ele, “mas a maioria das pessoas apenas se preocupa com a aparência”.

#curiosidadescartograficas



Fonte: https://www.atlasobscura.com/articles/globemaker-digital-cartography


Publicado na página Curiosidades Cartográficas do Facebook em: https://www.facebook.com/curiosidadescartograficas/posts/1766145013579025

131 visualizações0 comentário