Os primeiros cartógrafos da Europa, o mapa de Abauntz


A humanidade há muito tem necessidade de capturar e organizar seu ambiente. O mapa de Abauntz é considerado o mapa conhecido mais antigo da Europa Ocidental.


Em 1976, a recém-formada Pilar Utrilla liderou a equipe de arqueólogos que realizou a primeira campanha de escavação da caverna de Abauntz, no vale de Ultzama, próximo à cidade de Arraitz, cerca de 20 km ao norte de Pamplona (Navarra, Espanha). Vinte anos depois, em 1996, foi realizada a 10ª campanha de escavações, que já contou com a codireção de Carlos Mazo. Nesse ano, entre outras descobertas, surgiram três blocos de pedra gravada que constituem um exemplo espetacular da arte móvel, três rochas com cerca de 10.000 anos, datadas do final do período Paleolítico, e com a sua superfície coberta de representações gravadas com um buril, que seguem os padrões da arte Paleolítica da região (estilo franco-cantábrico).


De leitura complexa, a Dra. Pilar Utrilla e sua equipe da Universidade de Zaragoza conseguiram interpretar as gravuras, identificando vários animais, como veados, cabras ou cavalos, figuras antropomórficas, uma montanha e vários cursos d´água, desde a sua apresentação em Liège (Bélgica) em 2000 e especialmente após sua publicação em inglês no Journal of Human Evolution (2009) [1] ele foi reconhecido pela comunidade internacional como o mapa mais antigo ainda preservado da Europa Ocidental.


A pedra, ou bloco, principal, de 175 milímetros de comprimento, 100 de largura e 54 de espessura máxima, está cheia de incisões. Algumas delas são facilmente identificáveis, como as representadas por alguns animais. Sobrepostas, há uma série de linhas que são aquelas que foram interpretadas como um mapa ou esboço da área.


Vários elementos do ambiente estão gravados na pedra popularmente chamada de mapa de Abauntz. Pilar Utrilla, Carlos Mazo e sua equipe de colaboradores identificam o rio que atravessa um estreito entre montanhas (o de San Gregorio), seguindo a paisagem real do entorno. Além disso, uma gravura múltipla parece reproduzir o curso sinuoso do rio Zaldazaín recebendo dois afluentes em seu caminho para a altura de uma montanha e em que diferentes círculos talvez representem áreas com águas alagadas no inverno.


Os pesquisadores destacam como é surpreendente “que o mapa 1:50.000 da folha ”Sumbilla” [do Instituto Geográfico Nacional] (e sem selecionar linhas) mostre um curso de rio semelhante, que recebe dois afluentes próximos ao local onde se ergue o monte de San Gregorio, situado em frente à gruta” [2].



Mapa de Abauntz. Bloco 1, face A


Mapa de Abauntz, esquema

Se em outras tentativas de mapear o ambiente, como em algumas das pequenas tábuas encontradas no mundo babilônico, é difícil distinguir entre representações espaciais ou motivos simbólicos, sagrados ou simplesmente decorativos, no mapa de Abauntz “há uma verdadeira construção do espaço, ou seja, o autor o enfrenta traduzindo-o rapidamente numa imagem gráfica que o representa” [2].


E é que o conjunto de blocos gravados tem uma grande qualidade artística e uma complexidade formal excepcional, o que requer não só grande habilidade, mas também uma concepção espacial clara.


Não é uma tarefa fácil interpretar as linhas gravadas nos blocos. Elas se sobrepõem umas ás outras e algumas linhas parecem mesmo querer apagar os desenhos anteriores. Alguns animais aparecem claramente, enquanto outros são mais complicados de se interpretar e requerem estudos detalhados; outros vestígios podem representar poças de água sazonais, mas dão origem a diferentes interpretações, que têm vindo a acontecer desde 1996. O mesmo se aplica a outros vestígios menores que poderiam representar a boca da própria caverna ou de uma caverna próxima, tal como a de San Gregorio. Há mais dúvidas sobre o sentido e significado dos blocos, que função tinham eles, se eram feitos nos tempos livres ou para mostrar aos outros, devemos analisar os blocos como um todo ou é uma soma desarticulada de partes? Nesses tipos de perguntas estamos mais próximos da imaginação e suposições do que de realmente saber a resposta. Fico com a frase dos pesquisadores principais “com mapas e tudo, continuamos perdidos. Mas tínhamos que tentar” [2].



Links

[1] A palaeolithic map from 13,660 calBP: engraved stone blocks from the Late Magdalenian in Abauntz Cave (Navarra, Spain). O artigo que tornou o mapa de Abauntz famoso em todo o mundo (2009, em inglês, acesso restrito)

[2] Ríos, montañas y charcas: una representación de paisaje en el bloque 1 de la cueva de Abauntz. Primeiro artigo científico em espanhol sobre a paisagem representada no mapa de Abauntrz (2007).



Fonte: https://www.nosolosig.com/articulos/942-los-primeros-cartografos-de-europa-el-mapa-de-abauntz


Publicado na página Curiosidades Cartograficas do Facebook em: https://www.facebook.com/curiosidadescartograficas/posts/1583226558537539

8 visualizações0 comentário