Os gráficos do século XIX que colocam as cachoeiras do mundo em uma paisagem impossível

Imagine o ruído.



Este detalhe de um mapa de C. Smith & Son apresenta muitas quedas d´água. "AN ATLAS OF GEOGRAPHICAL WONDERS", CORTESIA DE 'GEOGRAPHICUS RARE ANTIQUE MAPS'

Se você já esteve em uma grande cachoeira, sabe que a experiência de ficar perto de uma pode variar muito. Em um dia escaldante, o borrifo da água parece um aspersor, suave e revigorante. Em um dia mais frio e com ventos, ele é mais como um chuvisco indesejável (não é de admirar que os barcos que transportam visitantes que passam pelas Cataratas do Niágara desde 1846 forneçam capas de chuva com capuz). O som da água caindo também pode mudar, de um som agradavelmente abafado até um rugido estridente.


Uma única cachoeira pode ser uma experiência sensorial avassaladora, então imagine a visão, o som e a sensação de mais de 40 trovões ao mesmo tempo. No século 19, vários cartógrafos e geógrafos conjuraram isso empilhando algumas das cachoeiras mais altas, mais intensas ou mais notáveis do mundo em um único gráfico.



Esta versão, publicada em Londres por volta de 1860 por William Mackenzie, também incluía alguns dos maiores lagos. "AN ATLAS OF GEOGRAPHICAL WONDERS", CORTESIA DA COLEÇÃO PARTICULAR.

Um punhado delas está compilada na publicação An Atlas of Geographical Wonders, From Mountaintops to Riverbeds, a primeira edição em inglês de um livro em francês por um quarteto de entusiastas da cartografia. Os mapas faziam parte de uma tendência cartográfica do século XIX, descrita pelos co-autores Gilles Palsky e Jean-Marc Besse, como um “fervor comparativo” (o livro, publicado pela primeira vez em 2014 como Le Monde Sur Une Feuille’, é escrito por Palsky Besse, Philipe Grand e Jean-Christophe Bailly, cujos talentos profissionais variam da arquitetura da paisagem à poesia). Inspirado, em parte, pelo trabalho anterior do naturalista, geógrafo e cronista prussiano itinerante Alexander von Humboldt, alguns cartógrafos do século XIX fizeram uma acepção do mundo baseando-se em medidas e escalas mensuráveis e, em seguida, comparando as maiores e mais espetaculares características do mundo em um único quadro. Eles representaram paisagens imaginárias em que os picos mais altos do mundo se transformavam em uma única cadeia de montanhas, ou em gráficos de barras incomuns, nos quais os rios mais longos formavam um único gráfico em rabiscos paralelos.


A “grande medida do mundo”, como Bailly o chama, cumpriu vários objetivos, individuais e políticos. Impresso em atlas que teriam ocupariam as estantes na casa de uma pessoa curiosa e relativamente rica, os mapas alimentavam um fascínio por lugares remotos que poucos veriam em primeira mão. Eles também eram uma maneira de marcar, comercializar e celebrar expedições e exploradores coloniais. “Altitudes e comprimentos invariavelmente funcionavam como evidências de novas descobertas”, escreve Baily, “fornecendo um terreno fértil para a febre da comparação e sua tendência a produzir registros visuais”.



Uma década após a versão de C. Smith & Son, esta de James Reynolds adotou uma abordagem semelhante, mas cita figuras diferetnes. "A decade after the C. Smith & Son version, this one by James Reynolds took a similar approach, but cites different figures. “AN ATLAS OF GEOGRAPHICAL WONDERS,” COURTESY OF COLLECTION PARTICULIERE", CIRTESA DA COLEÇÃO PARTICULAR

Bailly e seus co-autores reproduzem um exemplo de 1836 da loja Londrina de C. Smith & Son, na qual a impressora do século XIX reuniu mais de três dúzias de cachoeiras, da majestosa Cascade de Gavarnie (que eles escreveram “Gavarny”) no Pirineus, até uma das cataratas do rio Nilo, onde corredeiras rasas percorrem rochas irregulares. Os cartógrafos organizaram as cachoeiras por alturas, calculadas “desde o ponto de início da queda até o nível da bacia em que caem”. O gráfico inclui quedas e cascatas distintas da Noruega, Colômbia, País de Gales, Suíça, Canadá, Dalmácia e outras.


Mas, como muitos cientistas dizem, as medições são constantemente recalculadas e aprimoradas, e a criação de mapas e gráficos é tanto uma arte quanto uma ciência. Uma década depois, James Reynolds, outro editor de Londres, produziu um mapa que percorria grande parte do mesmo território, mas com um elenco diferente de personagens e novas medidas para alguns dos mais habituais. As cachoeiras mais altas e mais intensas são as mesmas nos dois mapas, mas suas alturas variam: o mapa de C. Smith & Son coloca Gavarnie nos Pirineus a 353 metros, em comparação com os 390 metros em Reynolds. Uma das cataratas do Nilo cai a 10 metros, por C. Smith & Son, ou 12, se você comprar a versão de Reynolds. Nenhum deles cita fontes (pelo menos não na frente dos gráficos, que são tudo o que é reproduzido no volume). A escala vem dos minúsculos seres humanos e animais no primeiro plano de cada gráfico – diminuídos pela majestade da natureza.


Muitas pessoas não precisam ser convencidas do encanto e do espetáculo das cachoeiras, mas o gráfico de Reynolds se propões a convencê-las de qualquer maneira. O texto na parte inferior analisa as diferenças entre corredeiras, cataratas e cascatas, e exalta as cachoeiras como “uma das mais interessantes e belas ... obras da natureza”.

Esta versão francesa, que foi incluída em um atlas de 1846 por Jean Guillaume Barbié du Bocage, também inclui rios. "AN ATLAS OF GEOGRAPHICAL WONDERS", CORTESIA DE SCIENCE MUSEUM, LONDON UK/THE BRIDGEMAN ART LIBRARY

Os gráficos comparativos saíram completamente de voga no final do século XIX. Em um dos ensaios do livro, Palsky e Besse sugerem que a diminuição da popularidade tinha algo a ver com os avanços na criação de mapas e na impressão. Talvez houvesse menos necessidade de comparação quando você pudesse imprimir mapas com técnicas sofisticadas de sombreamento – e depois vieram as fotografias, que ofereciam uma nova maneira de ver o mundo distante mais distante.


Mas por um tempo, pelo menos, os gráficos planificaram o mundo e deram aos espectadores um passaporte para suas maravilhas. “O leitor cujo dedo traça a linha de um rio ou sobe um pico de montanha – e, dessa maneira, cobre enormes distâncias em apenas alguns centímetros – descobrirá a vastidão de um mundo imenso e desconhecido”, escreve Bailly. “Este mundo foi totalmente compilado e, assim, tornado totalmente visível em uma única página”. Isso não é verdade, é claro – as pessoas continuam escalando montanhas, e medindo mais e mais, e vendo o mundo com detalhes cada vez maiores. Os gráficos nunca abrangeram a compreensão ecológica e geológica emergente da humanidade no mundo, mas isso dificulta o prazer de ver um simples gráfico artístico das maravilhas do planeta e deixar seus olhos percorrerem o mundo.

#curiosidadescartograficas



Fonte: https://www.atlasobscura.com/articles/maps-of-the-worlds-waterfalls


Publicado na página Curiosidades Cartográficas do Facebook em: https://www.facebook.com/curiosidadescartograficas/posts/1122040024656197

39 visualizações0 comentário