Mapas através da história

Da idade da pedra ao mercantilismo medieval e à próxima era da Inteligência Artificial e automação, o mapeamento e a cartografia têm estado no centro do esforço humano e do empreendedorismo, alimentando a inovação e a disrupção, a conectividade e a rivalidade.


O mundo possivelmente segundo o filósofo grego Heródoto
O mundo possivelmente segundo o filósofo grego Heródoto

Se o rosto de um homem é sua autobiografia e o rosto de uma mulher sua obra de ficção, como escreveu Oscar Wilde, então o rosto de um país nada mais é do que seu mapa.


A cartografia – ou a ciência da elaboração de mapas – está entre os primeiros esforços humanos para representar o mundo e entendê-lo. O espírito da engenhosidade humana, o zelo insaciável e o desejo de entender o mundo em geral e se conectar com ele levaram a isso.


Os mapas acompanharam a ascensão e queda de impérios, a descoberta de novas terras e o estabelecimento de fronteiras, juntamente com o desaparecimento do antigo e a criação do novo. Eles têm sido centrais para a história humana em sua beleza sublime, bem como em seu horror desolador.


Não há história sem mapas. E não só história. Mais do que qualquer outra coisa, a cartografia define o passado ambíguo e delineia o presente caótico.


Eric Hobsbawm dividiu a história moderna em quatro eras. A história da cartografia também pode ser dividida em diferentes épocas. Os mapas capturam o zeitgeist de uma época como poucos artefatos o fazem. Das formas rudimentares de mapas feitos em cavernas, à época de Heródoto, à Bula Papal e a Magna Carta, ao alvorecer do colonialismo, ao desmoronamento final dos impérios e ao início dos movimentos de libertação nacional, os mapas narravam tudo.


Com a era digital e os softwares cartográficos, eles receberam um novo impulso através do GIS e dos dados geoespaciais. A utilidade aumentou e se estendeu a todas as avenidas humanas. E hoje chegamos a um estágio em que o mapeamento está em toda parte e está conectando, capacitando e avançando em quase tudo, do monótono ao espetacular, do banal ao inovador.


‘Uma Ode aos Mapas’ soa muito piegas como uma homenagem a algo que muda de forma e se reinventa constantemente. Os mapas são um palimpsesto da humanidade, com múltiplas camadas de conhecimento, história e experiência somando-se para sempre.


Vamos ver a montanha-russa da cartografia


O início grego


Dizem que os gregos antigos estão entre os primeiros a usar mapas para navegação. O filósofo Anaximandro foi um antigo pioneiro da cartografia. Heródoto, conhecido como o pai da história no ocidente, também foi um dos primeiros cartógrafos.


O mundo conhecido da época retratava a Grécia antiga como o centro do mundo, juntamente com seus flancos laterais. Tudo isso está enterrado nas páginas do tempo agora com uma redolência geográfica.


Ptolomeu começou a desenhar mapas usando um sistema de coordenadas de latitudes e longitudes que eram conhecidas naquela época. Este sistema, com modificações, continuou até séculos depois, e um avatar moderno dele ainda é utilizado hoje.


Atlas Chineses


A China antiga é creditada com muitas inovações vitais, do papel à pólvora e à bússola. Como o imenso ‘Reino do Meio’, os imperadores chineses patrocinavam a criação de mapas para garantir que eles soubessem de onde as ameaças poderiam emanar, juntamente com a busca da melhor rota para os comerciantes transportarem suas mercadorias.


No século IV a.C., a China fez mapas usando blocos de madeira e seda. Alguns dos antigos mapas chineses retratam assentamentos, bem como paisagens ondulantes e terrenos físicos vertiginosos.


A cartografia chinesa progrediu sob diferentes dinastias e atingiu seu auge por volta de meados de 1500, quando um abrangente atlas foi produzido utilizando um sistema de reticulado.


Um mapa de seda do início da Dinastia Han Ocidental (202 a.C. – 9 d.C.) encontrado no túmulo 3 do local dos túmulos Mawangdui Han, representando o Reino de Changsha e o Reino de Nanyue no sul da China (Nota: a direção sul é orientada no topo, e o norte na parte inferior)
Um mapa de seda do início da Dinastia Han Ocidental (202 a.C. – 9 d.C.) encontrado no túmulo 3 do local dos túmulos Mawangdui Han, representando o Reino de Changsha e o Reino de Nanyue no sul da China (Nota: a direção sul é orientada no topo, e o norte na parte inferior)

Aventura europeia


Niall Ferguson resumiu a história do império britânico como uma história de piratas, fazendeiros, missionários, mandarins, banqueiros e falidos. Mas muito antes de os saqueadores e os corsários navegarem nos mares tórridos, foram os exploradores, navegadores e mercadores intrépidos que partiram para descobrir novas regiões. A busca humana por empreendimentos e exploração do desconhecido antecedeu a glória da coroa.


A projeção de Donis, ou paralelos e meridianos equidistantes que se encontram em direção aos polos, foi inventada por Nicholas Germanus no século XV. Por volta da mesma época, o primeiro mapa das Américas foi elaborado por Juan De Carlos, um colega marinheiro de Cristóvão Colombo.


Cópia manuscrita de Nicolau Germanus de 1467 do mapa-múndi de Ptolomeu, exibindo a forma de Nicolau Germano da 2ª projeção de Ptolomeu e o conhecimento expandido da Escandinávia no noroeste.
Cópia manuscrita de Nicolau Germanus de 1467 do mapa-múndi de Ptolomeu, exibindo a forma de Nicolau Germano da 2ª projeção de Ptolomeu e o conhecimento expandido da Escandinávia no noroeste.

Alguns anos depois, um português chamado Diogo Ribeiro criou um mapa que mostrava o Oceano Pacífico e os limites da América do Sul e Central.


O mapeamento coincidiu não apenas com o projeto colonial, mas com a história de inovação e migração, de formações nacionais e da consciência pan-nacional.


Concluído em 1500, o mapa de Juan de la Cosa é o primeiro mapa “mundial” a representar a costa das Américas
Concluído em 1500, o mapa de Juan de la Cosa é o primeiro mapa “mundial” a representar a costa das Américas

A projeção de Mercator


Indiscutivelmente, é o termo mais usado na cartografia moderna que é ensinado nas escolas e faculdades, e é o padrão nas projeções cartográficas de hoje. Se você sentir que alguns países e continentes parecem inchados e que outros encolheram, então culpe a projeção.


Batizada com o nome do cartógrafo flamengo Gerardus Mercator, ela foi uma revolução na cartografia moderna. Ela padronizou a prática de representar o sul apontado para baixo e o norte para cima, mantendo as direções intactas.


O mapa de Mercator, de 1569, do mundo
O mapa de Mercator, de 1569, do mundo

Os avanços tecnológicos após a revolução industrial levaram ainda a novas invenções na cartografia e no refinamento na criação de mapas. Agências nacionais de cartografia, como a Ordnance Survey e o United States Geological Survey, estão na vanguarda desde sua criação.


Introduzindo o GIS


GIS, ou Sistema de Informações Geográficas (em inglês), é a arte imersiva de identificar qualquer local em qualquer lugar no mapa. Ele é o fulcro das economias digitais e um facilitador vital de vários setores. Ele potencializa nossa visão, revela o que está oculto, ajuda a organizar padrões e é um dos principais impulsionadores do amanhã.


Para uma melhor analogia, pode-se dizer que o desenvolvimento do GIS foi semelhante à revolução digital e computacional combinada na geografia e na cartografia.


O desenvolvimento do GIS começou na década de 1960, coincidindo com outras inovações pioneiras, como semicondutores, computação e o programa espacial, ou a conteinerização moderna mais negligenciada, que é crucial para a logística hoje.


Todos esses desenvolvimentos foram para transformar o mundo e iniciar uma nova era, e o GIS foi o fio que ligava todos eles. A convergência pode parecer um pouco gasta hoje em dia, mas o papel dos GIS em permitir uma verdadeira convergência tecnológica não pode ser subestimado.


A origem canadense


Grandes coisas geralmente têm um começo indefinido e uma trajetória esquecível, até que seu valor dispare e se tornam nomes familiares. A história do GIS é assim.


O que começou como um projeto encomendado pelo governo canadense para gerenciar o inventário de recursos naturais em 1963 hoje vale bilhões de dólares, impulsionando setores desde a entrega de última milha até a manutenção da infraestrutura, defesa e inteligência, e impulsionando o surgimento da Indústria 4.0 e a era da interoperabilidade.


Roger Tomlinson, um geógrafo canadense, é o pioneiro do GIS e o homem que cunhou o termo enquanto trabalhava no projeto do governo canadense.


Ao mesmo tempo, um homem chamado Howard Fischer do Laboratório de Computação Gráfica de Harvard também estava desempenhando um papel inovador na evolução insipiente do GIS. Em 1964, Fischer criou um programa de mapeamento por computador conhecido como Synmap. Um ano depois ele fundou o laboratório de Harvard, que seguia uma ética verdadeiramente interdisciplinar e incluía cientistas, planejadores e geógrafos como seus membros.


Por mais de quarto décadas (1950-1990), a União Soviética conduziu um programa secreto de mapeamento que este livro chama de “o esforço de mapeamento mais abrangente da história”. Isso foi antes que a Observação da Terra e o GNSS se tornassem a norma. Surpeendentemente, alguns desses mapas de locais dos EUA eram mais detalhados do que os publicados pelo USGS.
Por mais de quarto décadas (1950-1990), a União Soviética conduziu um programa secreto de mapeamento que este livro chama de “o esforço de mapeamento mais abrangente da história”. Isso foi antes que a Observação da Terra e o GNSS se tornassem a norma. Surpeendentemente, alguns desses mapas de locais dos EUA eram mais detalhados do que os publicados pelo USGS.

O conto dos dois magos


Em 2019, o jornalista Charles C. Mann escreveu um livro, intrigantemente intitulado The Wizard and the Prophet (O Mago e o Profeta, em uma tradução livre ao português). O livro fala sobre um agrônomo pioneiro e um dos principais ecologistas e como suas visões conflitantes moldaram o futuro do mundo moderno.


Da mesma forma, a saga do GIS também está incompleta sem dois indivíduos notáveis que desempenharam um papel seminal desde sua gênese até sua adoção em massa. Aqui, não havia visões concorrentes, mas esforços complementares e uma missão alinhada.


Aclamado como o pai do GIS, a visão de Roger Tomlinson era usar computadores para reunir e mesclar todos os dados de recursos naturais das províncias do Canadá. Ele desenvolveu o primeiro GIS em 1967 para o Canada Land Inventory e foi o mentor da fraternidade GIS por muito tempo. Ele também foi admitido como membro honorário da Royal Goegraphical Society e atuou como presidente da Comissão GIS da União Geográfica Internacional por 12 anos, e também atuou como presidente da Associação Canadense de Geógrafos.


A outra pessoa na história é o fundador da Esri, Jack Dangermond. A Forbes o chamou de ‘Padrinho dos Mapas Digitais’ em 2016 e ele também é bastante referido como o ‘Padrinho do GIS’.


Como empreendedor, Dangermond foi o pioneiro no reconhecimento do enorme potencial dos mapas geoespaciais e digitais, e a Esri foi a única estrela a brilhar em GIS por muitos anos. Muitas vezes chamado de Microsoft do GIS, o ArcGIS da Esri é de grande utilidade para todos, desde urbanistas, empresas de negócios, ambientalistas, profissionais da saúde comunitária até socorristas em surtos de emergência.


Democratização dos mapas


Um dos fatores significativos que contribuíram para o alcance global dos mapas digitais e o aumento inestimável da economia de localização, que hoje está no centro das inovações revolucionárias, foi a abertura do GPS para uso civil pelos Estados Unidos.


Inicialmente lançado para o público em 1993, mas deliberadamente embaralhado por “razões de segurança”, o que levou a imprecisões para uma localização mais detalhada, em 2000, o governo dos EUA acabou com todas as restrições. Esta foi uma decisão importante que levou a um aumento de mais de dez vezes na precisão do GPS para aplicações civis e permitiu o surgimento de sistemas de navegação modernos e serviços baseados em localização, possibilitando que o GPS estivesse em todos os smartphones de baixo alcance em todo o mundo.


Em 2005 surgiu o Google Maps, que, pela primeira vez, utilizou uma mistura de fotografia aérea, imagens de satélite e mapas de ruas locais. Este foi outro marco, pois democratizou completamente o poder dos mapas e a inteligência de localização.


Google Maps dos Estados Unidos
Google Maps dos Estados Unidos

Hoje, a digitalização converteu os smartphones em tudo, desde um quadro de avisos caótico a um barômetro de rumores e agitação cívica. Mapas digitais e inteligência de localização são uma indústria próspera agora que sustenta a extensa rede de conectividade desbloqueada pela internet e pelos smartphones.


O Google Maps e outros mapas detalhados surgiram no centro da gig economy, bem como a nova plataforma como um modelo de negócios de serviço. Desde a otimização de rotas para uma entrega de alimentos até a estimativa de passos em uma sala de cinema ou um shopping, a combinação de inteligência de localização e mapas digitais está em jogo.


Em 2011, o Google adicionou o recurso Indoor Maps, que foi rapidamente seguido por muitos outros na briga. O Indoor Maps fornece o layout preciso dos interiores de qualquer edifício, área residencial, complexo público ou grandes estabelecimentos. Ele ajuda no planejamento de contingência, resposta a emergências, além de aumentar a eficiência e economizar tempo para as empresas.


Durante o surto de COVID-19, o GIS e a inteligência de localização desempenharam um papel fundamental em tudo, desde rastreamento, localização, visualização de casos, monitoramento de cidades e gerenciamento do fornecimento de bens essenciais.


O painel da COVID da Johns Hopkins, inciado em janeiro de 2020, quase dois meses antes de a OMS declarar o surto de COVID-19 uma pandemia, ainda está ativo e é considerado a principal fonte de dados centralizados sobre a pandemia.
O painel da COVID da Johns Hopkins, inciado em janeiro de 2020, quase dois meses antes de a OMS declarar o surto de COVID-19 uma pandemia, ainda está ativo e é considerado a principal fonte de dados centralizados sobre a pandemia.

‘Destilação fracionada’ geográfica


‘Dados sendo o novo petróleo’ tornou-se banal ao ponto da exaustão. Mas o que chama a atenção é o papel do GIS e dos mapas digitais no refinamento, processamento e análise de dados.


Para emprestar outra analogia da indústria do petróleo – é a destilação dos dados brutos por meio de ferramentas como o GIS que produz resultados personalizados de campos tão variados como cadeias de suprimentos, logística, manufatura, varejo, análise, gerenciamento de relacionamento com o cliente e qualquer outra forma de mapeamento ou previsão espacial.


Com a crescente convergência entre os atores de tecnologia e suas tentativas de superar uns aos outros e superar as expectativas dos clientes, a adoção do GIS/Geoespacial transcendeu setores e indústrias verticais. Sejam cartógrafos, agências de mapeamento, marqueteiros, urbanistas, geeks, comerciantes ou viajantes, o mundo hoje sem mapas digitais é inconcebível.


Mapas em HD – O final ou o continuum?


Os mapas sempre estiveram no centro da humanidade e de seus semelhantes ao longo dos tempos, como vimos. Então, é banal repetir para quem eles foram feitos – humanos, é claro, é a resposta óbvia. Mas os mapas em HD (alta definição) redefiniram isso radicalmente. São mapas de nível de precisão centimétrica, altamente precisos, projetados para veículos autônomos, feitos a partir de dados coletados por meio de LiDAR, Radar, GPS, câmeras e outros sensores. Esses mapas são atualizados em tempo real usando conectividade de altíssima velocidade e também podem ser usados para analises preditivas. Espera-se que o tamanho global do Mercado de mapas em HD atinja US$ 17 bilhões até 2028.


Da mobilidade inteligente ao futuro da logística orientada à IoT, tudo depende de mapas em HD. Um mapa em HD normal é composto por cinco camadas: camada em tempo real, camada anterior do mapa, camada semântica, camada do mapa geométrico e camada do mapa base. Uma das principais dificuldades atualmente na criação de mapas em HD é que eles exigem velocidade e largura de banda ultra-rápida para transferir uma enorme quantidade de dados em tempo real. Quando o 5G entrar em cena, os mapas em HD receberão um impulso significativo.


Quando a Rebelião das Máquinas, a singularidade ou a era totalmente automatizada da IoT, os dispositivos conectados e a robótica são considerados o futuro, como os mapas podem estar atrasados em se adaptar a isso?


Assim como nossos antepassados usavam mapas para viagens, para migração e para procurar zonas seguras em caso de calamidades, no futuro, veículos autônomos, com a ajuda de mapas em HD, garantirão que nos desloquemos com segurança e as mercadorias sejam entregues na última milha de maneira mais otimizada. Eles reformularão a identidade, o comportamento e a mobilidade mais uma vez, como fizeram todas as evoluções de anteriores da cartografia.

#curiosidadescartograficas




Fonte: https://www.geospatialworld.net/prime/special-features/maps-all-through-the-ages/


Publicado na Página Curiosidades Cartográficas do Facebook em: https://www.facebook.com/curiosidadescartograficas/posts/pfbid027zA66xQs7pErYhrQQMUWZX64dW1P8WXfK69x7yBgJZwQmroGivnfMfUWxE9DZKMpl

12 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo